Custos e importações desafiam setor lácteo

Cenário econômico pressiona a cadeia produtiva e ameaça atividade

A alta de custos de produção no campo e na indústria preocupa o setor lácteo gaúcho, que se reuniu na manhã desta terça-feira (23/02) em encontro mensal virtual do Conseleite. O colegiado informou que a projeção do valor de referência do litro para fevereiro é de R$ 1,3710, queda de 4,40% em relação ao consolidado de janeiro (R$ 1,4341). Apesar da redução, o indicador está 17% acima do patamar do mesmo mês de 2020. "A expectativa é que os preços fiquem estáveis ao longo do ano", ponderou o professor da UPF Eduardo Finamore.

O vice-presidente do Conseleite, Alexandre Guerra, alertou que as indústrias estão trabalhando com margens negativas como resultado de um mix de fatores, como a retirada do auxílio emergencial, a suspensão da volta às aulas e uma elevação generalizada de custos, além da concorrência com os produtos importados. "Estamos vivendo um cenário incerto. Nossa única certeza é o custo elevado. Diferentemente de anos anteriores, não temos aquela expectativa de que, depois do Carnaval, o ano vai decolar", lamentou.

Com a recente alta dos combustíveis, o dirigente teme por um efeito em cascata e forte impacto na inflação. "O ano de 2021 será de margens ajustadas para todo mundo", confirmou.

Presidindo a reunião, o secretário do Conseleite, Tarcísio Minetto, prevê um cenário delicado para o futuro. "Os desafios são grandes principalmente com a alta do dólar e dos insumos". Ele confia na retomada do auxílio emergencial, valor que pode ajudar a reaquecer o consumo das famílias. Por outro lado, espera que as restrições da pandemia possam ser flexibilizadas em breve com o avanço da vacinação.

Para aliviar a pressão sobre a produção, o setor acredita que será preciso chamar o governo, o varejo e as redes de fornecedores para o debate. "A indústria está no meio do mercado. Precisamos chamar setores paralelos para conversar.

Vai sair produtor do setor, mas, se continuarmos assim, vai sair indústria também", alertou Guerra.

Presente ao encontro, o presidente da Fetag, Carlos Joel da Silva, clamou por maior união do setor lácteo por pautas coletivas e informou que os produtores estão com muita dificuldade de se manter no mercado, o que deve resultar em uma nova debandada da atividade. "Não temos a receita pronta, mas esse colegiado tem que se preocupar com as pessoas, com as famílias que estão no meio rural", pontuou. E pediu maior diálogo com o poder público. "Temos que fazer o governo entender que a importação nos mata", disse.

O Conseleite também aprovou mudança em sua coordenação, conforme já definido em estatuto.

Na reunião de março, a presidência será assumida pelo Sindilat e a vice-presidência, pela Farsul.

Fonte: Jornal do Comércio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *