CULTURAS DE INVERNO: Plano Safra traz poucos benefícios ao Estado

Não deve ter o impacto esperado, no Estado, o Plano Safra para as culturas de inverno. Produtores e entidades do setor dizem que as medidas chegam tarde, além de o reajuste do preço mínimo ser insuficiente e restrito.

Anunciado pelo Ministério da Agricultura depois de dois anos de congelamento, o reajuste do preço mínimo, além de tudo, tem impacto apenas na variedade do tipo pão, e com nova configuração.

De acordo com o assistente técnico estadual da Emater Ataídes Jacobsen, a saca, que passou de R$ 28,62 para R$ 30,06, trata somente do grão especificado com mais de 220 de força glúten, o chamado tipo pão – abaixo desse nível o preço cai para R$ 25,01. Até o ano passado, os mesmos R$ 28,62 valiam a partir do cereal com mais de 180 de força glúten. De acordo com Cotrijal, se fosse na safra passada, somente 10% da produção gaúcha se enquadraria no novo valor.

No Plano Safra para culturas de inverno, 90% dos R$ 3,16 bilhões são para o trigo. Houve aumento de 14% no crédito, mas o anúncio da oferta maior foi considerado atrasado pelos produtores gaúchos que já começaram o plantio. Aurélio Contri planta os mesmos 20 hectares de 2011:

– Se soubesse antes dos incentivos, poderia ter ampliado a área.

Fonte: Zero Hora joice.bacelo@zerohora.com.br JOICE BACELO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *