Céu escuro para o consumidor

Na capa da revista Globo Ruraldeste mês mostramos que oagronegócio brasileiro vive o “melhor dos mundos” impulsionado pelas ótimas cotações do milho e pelas expectativas de se plantar umasafra recorde de soja. Panorama promissor para o campo.

Do lado do consumidor, no entanto, o cenário está se tornando escuro. É que a maior seca em 50 anos nosEUA, que praticamente destruiu asafra de milho de lá e está comprometendo drasticamente a de soja, pode causar uma crise global de alimentos, afetando, principalmente, os países pobres, segundo informam os grandes jornais do Brasil e do mundo.

Isso porque a disparada de preços devido às colheitas pífias nos EUA começa a atingir as indústrias de alimentos, e elas anunciaram que vão repassar seus prejuízos aos consumidores.

Ontem (14/8), por sinal, foi noticiado que, diante do cenário ruim, o G-20, que reúne as vinte mais poderosas economias do mundo, pode até convocar uma reunião para tratar do assunto. Já o Banco Mundial foi além e alertou acerca do possível aumento da fome e da desnutrição no mundo.

Ainda ontem, grandes empresas como a BRF-Brasil Foods, dona das marcas Sadia e Perdigão, comunicou um incremento nos preços das carnes entre 5% a 10%. Para já. É preciso ressaltar que frangos e suínostem como alimentação básica justamente o milho e o farelo de soja, cujas cotações estão nas alturas.

Também o Marfrig, proprietário da Seara Brasilaves e suínos – informou que aumentou os preços dos seus produtos no segundo trimestre ano e que eles vão subir ainda mais.

O consumidor brasileiro deve ficar alerta. O aumento nas carnes de frango e de suínos e de processados está chegando às gôndolas dos supermercados.

(Sebastião Nascimento)

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *