Céu abre janela para as atividades de manejo do milho no Sul

Confira como estão as condições das chuvas e lavouras na região

 

Milho

Esta semana está excelente para os manejos em campo nas lavouras do Sul do Brasil. Como as instabilidades estão concentradas na metade norte do país, o tempo está aberto no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, permitindo os manejos em campo depois de vários dias de muita chuva.

Durante os últimos dias, as pancadas continuaram em grande parte das regiões produtoras de milho do país, mas em menores volumes que nas semanas anteriores, principalmente no Paraná, mas ainda em volumes suficientes para manter a umidade do solo no centro-sul do país.

Essas chuvas ocorreram acima da média em grande parte do Paraná, parte da região central de São Paulo e entre o Triângulo Mineiro e o sul de Goiás. Com isso, a umidade do solo ficou perto da capacidade total de armazenamento em todas as principais áreas produtoras do milho primeira safra.

As temperaturas também ficaram acima da média em todas essas áreas, o que ajudou a melhorar as condições e a velocidade de desenvolvimento das lavouras de milho no centro-sul.

No Paraná, o plantio ganhou mais força na última semana, chegando a 90% de área plantada na semana anterior, com 92% das lavouras em fase de desenvolvimento vegetativo e quase a totalidade das áreas em boas condições, sem problemas aparentes provocados pelo excesso de chuvas das últimas semanas.

No Rio Grande do Sul, 55% das áreas destinadas à cultura nesta safra já foram semeadas, 98% dessas lavouras já atingiram a fase de desenvolvimento vegetativo e 2% chegaram na fase de florescimento. Além disso, as lavouras no geral expressam bom estado fitossanitário e bom desenvolvimento vegetativo.

Em Santa Catarina, mesmo que as chuvas também tenham provocado atrasos no plantio, os trabalhos de campo ainda estão dentro do esperado, com boa qualidade de desenvolvimento das plantas. Nas demais regiões do país o plantio ainda está iniciando, especialmente no Centro-Oeste e São Paulo, em Minas Gerais as primeiras áreas ainda estão sendo semeadas.

Pryscilla Paiva, editora de Tempo do Canal Rural

Redação – Canal Rural

Fonte: Canal Rural