Corrida de obstáculos

A segunda maior safra de grãos do Rio Grande do Sul corre perigo. O risco, agora, está no transporte da soja, do milho, do arroz. Movimentada principalmente por caminhões, a supersafra gaúcha deve enfrentar estradas em péssimas condições. Leitores têm enviado fotos de caminhos mais adequados à realização de um Rali Dacar do que ao escoamento de uma safra agrícola. Isso encarece os fretes e aumenta as perdas. Um caso emblemático é o da estrada de terra que liga Tupanciretã à Joia, na região Noroeste, onde se concentra a produção de grãos do Estado. Há anos, produtores pedem o asfaltamento de um trecho de 45 quilômetros, muito ruim, por onde escoa a colheita local. Neste ano, inconformados com o descaso público, utilizaram as próprias máquinas para recuperar os piores trechos. Uma meia solução, emergencial, que não resolve definitivamente o problema. No resto do Rio Grande do Sul, quantos produtores poderão fazer o mesmo? Uma safra agrícola é uma corrida de obstáculos contra o clima, as pragas, o mercado, as estradas… Uma das partes mais difíceis da prova está só começando.

Fonte: Zero Hora | OLHAR DO CAMPO | Irineu Guarnier Filho