Cooperativa investe em fruticultura

Prefeitura de Bauru fará a mediação entre cooperados e compradores, e vai ajudar a solucionar os gargalos para o escoamento da produção da Frutotec

Lavagem será feita em maquinário  da Etec de Cabrália Paulista Lavagem será feita em maquinário da Etec de Cabrália Paulista
Foto: Patrícia Cruz

Bauru – Dados do Sebrae indicam que a fruticultura é um dos segmentos mais importantes do agronegócio brasileiro, respondendo por 25% do valor da produção agrícola nacional.

Para se beneficiar desse bom momento, um grupo de 18 produtores fundada a Cooperativa Industrial e Comercial dos Produtores de Frutas e Hortaliças de Bauru e região – Frutotec, oficializada no último dia 20. A meta é agregar valor à produção de frutas e, num segundo momento, de hortaliças. O desafio, a adesão dos produtores da agricultura familiar.

O secretário de Agricultura e Abastecimento, Chico Maia, vê um grande potencial de mercado para a polpa de fruta: somente a rede pública de ensino na cidade oferece diariamente 65 mil refeições.

"O governo tem que comprar ao menos 30% dos produtos usados na alimentação escolar de agricultores familiares. É aqui que a Frutotec entra", avalia Chico Maia.

Com a chegada dos cooperados, a entidade fica apta a participar das concorrências públicas. Até o momento 18 produtores já se inscreveram na cooperativa, a maior parte deles de grande porte.

Diversificação

A prefeitura de Bauru fará a mediação e ajudará a encontrar e solucionar os gargalos para o escoamento da produção. "A administração ofereceu um galpão para a instalação da câmara fria e o caminhão-baú refrigerado para fazer a logística dessa polpa, de forma a comercializá-la no mercado local e regional", disse Chico Maia.

Além de maracujá, abacaxi, manga e goiaba, há potencial para ampliar e diversificar a plantação. "É importante destacar que o resultado desse processamento poderá ser comercializado em Bauru e região, em feiras, restaurantes, é uma opção para os produtores, estimulando especialmente a agricultura familiar", destaca.

Segundo o Sebrae, o Brasil atualmente é o terceiro maior produtor mundial de frutas participando com 10% do mercado mundial. O processamento de frutas atende basicamente os segmentos de sucos, néctares, drinques de frutas e polpas. E, em 2013, a indústria do processamento consumiu 23,8 milhões de toneladas do total 43,6 milhões de toneladas de frutas produzidas no País.

Etec de Cabrália

O professor da Unesp de Bauru, Aloísio Costa Sampaio, é um dos idealizadores do projeto. Ele explica que a cooperativa fará a gestão da unidade de processamento de frutas, na Etec de Cabrália Paulista, onde estão instalados equipamentos como câmara fria, máquinas de lavagem, de processamento e de pasteurização de frutas, além de uma embaladora.

A unidade tem capacidade para processar quatro toneladas de frutas por dia. "Para se ter uma ideia mais precisa do aproveitamento, por exemplo, a acerola tem rendimento de até 75% da polpa, atingindo numa conta básica 80% de agregação de valor no preço final. Isso traz resultados positivos para toda cadeia produtiva e, especialmente, para o cooperado que vai participar dessa margem de lucro, além de ter a garantia da comercialização do seu produto", ressalta o pesquisador da Unesp.

Anna Maria Ferreira

Fonte : DCI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.