Consumo de café deve crescer 3,3% no país

stock.xchng

Estudo da Euromonitor encomendado pela Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) estima que as vendas de café no país devem crescer 3,3% este ano, avanço semelhante ao de 2016. Segundo o trabalho, apresentado ontem no 25º Encafé, em Mata de São João (BA), as vendas de café no varejo e no food service do país devem somar 1,070 milhão de toneladas, o equivalente a 22,291 milhões de sacas. Em 2016, as vendas totalizaram 1,036 milhão de toneladas.

Segundo a empresa de pesquisas, a reação da economia está impactando positivamente o consumo das famílias". Nathan Herszkowicz, diretor-executivo da Abic, destacou que o consumidor "tem buscado mais café em todas as versões". Além disso, fatores como preço acessível e qualidade também têm contribuído para o crescimento do consumo de café, afirmou em entrevista por telefone.

Os números da Euromonitor consideram sacas de 48 quilos, volume restante após a torra do grão verde. O estudo contempla as vendas de café torrado e moído, grãos e em cápsulas.

Para 2018, o estudo projeta novo aumento nas vendas de café, de mais 3,4%. Até 2021, os volumes chegariam a 1,229 milhão de toneladas (25 milhões de sacas), com taxa média anual de crescimento de quase 3,5% entre 2016 e 2021.

A pesquisa mostra que do volume total estimado para este ano 81% se referem a café em pó, 18% a grão torrado e 0,9% a cápsulas. Embora destaque a desaceleração recente em cápsulas, o estudo estima que até 2021 o segmento continuará a crescer e responderá por 1,1% do volume total de café. "Porém, o consumidor brasileiro percebe cada vez mais o valor dos cafés premium em outros formatos, como o moído e em grão", diz o estudo.

Já o café torrado e moído deve continuar a representar 80% do volume total de produto comercializado no país em 2021.

A pesquisa afirma que o aumento de preços do café menos acentuado do que o observado em 2016 permitiu "um cenário mais propício aos produtos de melhor qualidade". Assim, houve diversificação no mix de produtos. Segundo a Euromonitor, apesar da tendência de "premiunização" no segmento, 90% do mercado ainda é de café tradicional, "com preços acessíveis e ampla disponibilidade no varejo".

O levantamento da Euromonitor revela que também houve incremento nas vendas de café em grão para os domicílios. No entanto, pondera a consultoria, o consumo desse tipo de produto ainda segue focado no food service. Neste ano, as vendas devem somar 195 mil toneladas. A previsão é de que alcancem 203 mil toneladas ano que vem. "Marcas com grande expressão contribuíram para a disseminação do grão no varejo, aumentando pontos de distribuição e ofertas (…). Em 2018, espera-se que players regionais invistam cada vez mais no segmento de grãos premium", diz a consultoria.

Conforme a pesquisa, diante do avanço dos cafés premium no Brasil, o segmento de cápsulas deve sofrer mais competição. Neste ano, o mercado de cápsulas deve somar 10 mil toneladas, 1 mil toneladas acima de 2016. A projeção é de que atinja 14 mil toneladas em 2021.

A Euromonitor destaca ainda, no estudo, que o arrefecimento da crise econômica no país impulsiona as vendas no food service, que neste ano devem responder por 33% do volume total.

Por Alda do Amaral Rocha | De São Paulo

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *