Constituição do RS impede privatização do Banrisul

O governo do Rio Grande do Sul não está disposto a encarar agora o desgaste de levar adiante a privatização do Banrisul como contrapartida ao socorro financeiro ao Estado. O entendimento é que mais cedo ou mais tarde o banco acabará sendo privatizado, mas que o momento não é o mais adequado, nem do ponto de vista político, nem do econômico.

A privatização do Banrisul exigiria mudança na Constituição estadual. Em 2002, no governo de Olívio Dutra (PT), uma emenda passou a exigir que a venda, extinção, fusão, incorporação ou cisão do banco seja aprovada em plebiscito – o que não ocorreria hoje no caso de uma consulta popular.

O governo de José Ivo Sartori (PMDB) considera que a população só aceitaria a medida se o dinheiro arrecadado fosse usado em um amplo programa de investimentos e não para pagar dívidas ou cobrir rombos no orçamento. Algo, portanto, para depois do equilíbrio das contas perseguido com o ajuste fiscal. Agora, o Estado pretende colocar à venda as estatais CEEE, Sulgás e CRM

Fonte : Valor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.