Conab revisa para cima produção de açúcar no país

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revisou para baixo a moagem de cana-de-açúcar no Brasil da safra 2012/13 na comparação com o levantamento feito em abril, mas elevou um pouco a projeção para açúcar. De acordo com o órgão vinculado ao Ministério da Agricultura, o país deverá processar 596,6 milhões de toneladas da matéria-prima – ante 602,1 milhões previstos há quatro meses – 6,5% acima do processado no ciclo 2011/12.

A produção de açúcar alcançará quase 39 milhões de toneladas, segundo a companhia, ante os 38,8 milhões previstos no levantamento anterior. Em relação à safra passada, o avanço é de 8,41%.

Para a companhia, somente o Centro-Sul, que responde por 90% da produção nacional, vai produzir 34,1 milhões de toneladas da commodity, ante os 33,6 milhões do estimado em abril. A Conab reduziu ainda para 4,8 milhões de toneladas a produção de açúcar do Norte e Nordeste, ante os 5,1 milhões da previsão anterior.

A produção de etanol do país foi reajustada para baixo em relação a abril para 23,4 bilhões de litros, 2% de recuo. A retração recairá quase toda sob a produção de anidro (que é misturado à gasolina), cuja estimativa é de fabricação de 9,2 bilhões de litros, ante os 9,7 bilhões previstos há quatro meses.

O fôlego das usinas para produzir açúcar foi percebido no último levantamento divulgado ontem pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) para o Centro-Sul. Na segunda quinzena de julho, a região produziu 2,97 milhões de toneladas da commodity, 5,11% acima do realizado em igual período de 2011.

Desde o início da moagem, a produção de açúcar ainda acumula queda – 17,01% -, no entanto, em níveis inferiores à retração observada em etanol (anidro e hidratado). Entre abril e 1 º de agosto, foram fabricados 8,2 bilhões de litros do biocombustível na região, 21,52% abaixo dos 10,4 bilhões de litros de igual intervalo do ciclo passado.

O desânimo do setor com o etanol se deve aos preços pouco estimulantes, reflexo da estabilidade dos preços da gasolina e da redução da mistura de anidro no combustível fóssil. Ontem, o secretário de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, José Gerardo Fontelles, disse que ainda é cedo para avaliar um possível aumento na mistura de etanol na gasolina. Segundo ele, ainda é necessário avaliar se a produção pode suprir o aumento de demanda. (Colaborou Tarso Veloso)

© 2000 – 2012. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/empresas/2783760/conab-revisa-para-cima-producao-de-acucar-no-pais#ixzz239DSnxwD

Fonte: Valor | Por Fabiana Batista | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *