Com plano aprovado, grupo Farias negociará mais R$ 500 milhões

O grupo Farias, dono de seis usinas no país, conseguiu ontem a aprovação da maioria de seus credores para seu plano de recuperação judicial, o que reduziu em cerca de R$ 150 milhões seu endividamento. Contudo, a empresa ainda terá que negociar cerca de R$ 500 milhões em dívidas vencidas que ficaram de fora da recuperação.

O plano aprovado ontem em assembleia realizada no município pernambucano de Cortês prevê deságio para quase todos os credores, com exceção de parcela dos trabalhistas. Esses descontos reduziram o valor devido aos credores que se submeteram à recuperação para R$ 250 milhões, ante R$ 420 milhões devidos anteriormente.

Também foi aprovada na assembleia de credores a dação em pagamento de fazendas no Nordeste no valor de R$ 100 milhões, que já correspondiam a garantias detidas pelos credores. O maior beneficiário foi o China Construction Bank, que devia receber R$ 90 milhões.

A única classe que não deu os votos necessários para a aprovação do plano foi a dos quirografários (sem garantia real). Eles são os principais credores, com mais de R$ 300 milhões a receber. Mesmo assim, o plano pode ser homologado pelo juiz através de um mecanismo previsto em lei.

A expectativa do grupo agora é fechar negociação com Credit Suisse e Bradesco, que não se submeteram à recuperação judicial. A empresa e os bancos discutem qual a taxa de dólar correspondente aos créditos, mas o valor total devido deve ficar entre R$ 500 milhões e R$ 600 milhões. Os dois bancos já acionaram o grupo na Justiça para executar suas garantias, que se referem a equipamentos industriais.

Segundo Jorge Mattar, advogado do grupo Farias, dependendo do acordo, pode ser convocada uma nova assembleia de credores. Isso pode ocorrer se a empresa se comprometer a alienar ativos, por exemplo. Nesse caso, os credores precisariam aprovar os detalhes dos ativos a serem vendidos.

Por Camila Souza Ramos | De São Paulo

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *