Com grãos, Itaqui teve movimento recorde em 2015

Operação do terminal de grãos no porto Itaqui, no Maranhão; movimentação de milho e soja quase dobrou em 2015
O Porto de Itaqui, no Maranhão, bateu recorde de movimentação no ano passado. Diante de uma expansão acelerada nos volumes de grãos, sobretudo soja e milho, as operações atingiram um volume total de 21,8 milhões de toneladas, o que representa um aumento de 21% em relação ao registrado em 2014.

O balanço das operações, antecipado pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor, será apresentado oficialmente hoje pelo governador do Maranhão, Flávio Dino. O desempenho de Itaqui foi puxado pela movimentação de granéis sólidos, que avançou 42% em relação a 2014, chegando a 12,57 milhões de toneladas.

Nesse grupo se destacam a soja e o milho produzidos na região do chamado "Corredor Centro-Norte", que contempla, além do Maranhão, os Estados de Tocantins, Pará, Bahia, Piauí. A movimentação de soja e milho em Itaqui quase dobrou em 2015, passando de 3,6 milhões de toneladas para 7 milhões de toneladas.

"Trabalhamos para ser o porto oficial dessa região, cuja área para plantio de grãos ainda apresenta um potencial de expansão da ordem de dois milhões de hectares", disse ao Valor o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago.

De acordo com Lago, a entrada em operação de um novo terminal de grãos (Tegram), com capacidade para cinco milhões de toneladas, ajudou no desempenho. A estrutura começou a funcionar em março do ano passado, mas foi inaugurada em agosto pela presidente Dilma Rousseff. Hoje, o governador vai anunciar a expansão do Tegram para 10 milhões de toneladas.

Além dos grãos, o presidente da Emap destacou a evolução da movimentação de celulose. Principal empresa brasileira do setor, a Suzano tem uma fábrica na cidade maranhense de Imperatriz e já anunciou a intenção de ampliar a capacidade da planta.

Se nos granéis sólidos o desempenho foi positivo, nos líquidos houve queda de movimentação. O volume somou 7,66 milhões de toneladas no ano passado, ante 8 milhões de toneladas registradas em 2014. Já as cargas gerais cresceram 37%, atingindo 1,58 milhão de toneladas no ano passado.

Para 2016, a expectativa é de que os grãos continuem elevando o desempenho de Itaqui, que está entre os cinco principais portos do país. A Emap projeta um crescimento de 8% no volume total de movimentação, performance que deve ser auxiliada por investimentos em expansão da capacidade.

O governo do Maranhão pretende desembolsar R$ 255 milhões nos próximos dois anos. Os recursos serão injetados principalmente na construção de novos berços de atracação (R$ 170 milhões) e na melhoria dos pátios e retroáreas (R$ 26 milhões).

Também estão previstos, segundo a Emap, investimentos privados. O Programa de Investimentos em Logística (PIL) do governo federal prevê a concessão de dois terminais em Itaqui, sendo um de fertilizantes e outro de carga geral. A expectativa é de que esses projetos sejam licitados no segundo semestre e movimentem perto de R$ 500 milhões em investimentos.

"O terminal de fertilizantes é fundamental para dar contrapartida ao avanço da soja. Sai a soja, entra o fertilizante", explica Lago.

Por Murillo Camarotto | De Brasília

Fonte : Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *