Colheita de milho alcança 20% da safra de verão, diz Céleres

Trabalhos avançaram na comparação com a semana passada, mas estão atrasados em relação a 2012

por Estadão Conteúdo

Ernesto de Souza

A Céleres também projetou que o Brasil vá exportar 24,6% da safra 2012/2013

Cerca de 20% da safra brasileira de milho verão está colhida, de acordo com a consultoria Céleres em informativo divulgado nesta segunda-feira (25/2). Na comparação com a semana passada, os trabalhos no campo avançaram 4 pontos porcentuais (p.p.), mas estão atrasados em 1 p.p. em relação a 2012. A implantação do milho safrinha alcança 44,2% da área prevista, uma evolução de 19,5 p.p. frente a semana passada e estável quando comparada à safra anterior.
A Céleres também projetou que o Brasil vá exportar 24,6% da safra 2012/2013, abaixo dos 28,7% da produção 2011/2012 que foi vendida para o mercado externo. O menor nível de embarques pode comprometer a sustentação dos preçosinternamente, projetou a consultoria. "Para termos um mercado doméstico plenamente integrado ao mercado externo, principalmente quanto aos processos de formação dos preços, seria desejável que a participação da exportação sobre a produção ficasse acima de 50%", informa o documento. Os gargalos logísticos brasileiros são listados como entraves ao incremento das exportações do grão.

Comercialização em MT

Ainda nesta segunda, o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea), divulgou dados relativos à comercialização da safra 2012/13 de milho do Estado. Até a última sexta-feira, foram vendidos 17,6%. O número representa um atraso de 25 pontos porcentuais (p.p.) na comparação com o mesmo período do ano passado, informou o Imea.
De acordo com a entidade, compradores esperam uma queda nos preços e compram apenas para consumo imediato. As cotações, no entanto, se recuperaram na semana. O preço médio no Estado avançou 3% no período, para R$ 18,95. Mato Grosso não tem produção significativa de milho verão.
O plantio do milho safrinha alcança 63,7% da área prevista, um avanço de 20 p.p. frente a semana passada. O Imea avalia que, se o ritmo de implantação se mantiver, cerca de 15% da área será semeada após a janela ideal de plantio, que se estende até a próxima semana. "Impactos negativos na produtividade podem ser minimizados com a manutenção das chuvas nas primeiras semanas de março", avalia o Imea.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *