COLABORADOR | Academia Nacional de Agricultura | Carlos Adílio Maia do Nascimento

Roberto Rodrigues assumiu a presidência da Academia Nacional de Agricultura. Fato alvissareiro, pois este cidadão é patrimônio valioso do agro brasileiro. Conhecemos Roberto quando ainda cursava a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz e veio a Pelotas com os irmãos Piegas, seus colegas, para conhecer uma estância gaúcha, a Cerro Agudo no Herval. Jovem irrequieto, irradiava simpatia e inteligência, preludiando o futuro brilhante que o aguardava. Professor em Jaboticabal iniciou trajetória notável passando pela presidência da Sociedade Rural Brasileira, da OCB e da Organização Mundial das Cooperativas. Foi ministro da Agricultura de longa duração, tendo permanecido no posto durante todo um governo. A experiência acumulada ao longo deste mister só é superada por sua simplicidade, carisma e contagiante entusiasmo pela lide da terra.

A proposta de trabalho do novo presidente é, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro usando o riquíssimo acervo do Centro de Estudos Agrícolas, encontrar soluções factíveis para cada gargalo existente nas políticas públicas agrícolas bem como no exercício do setor privado. Elaborar planos e propostas concretas que possam ajudar o governo a entender melhor o setor e a encontrar caminhos que levem não apenas ao crescimento, mas ao real desenvolvimento. Estabelecer política de renda ao agricultor e a instalação definitiva do Seguro Rural, bem como criar salvaguardas a nossos produtos. O Brasil é grande exportador de commodities sem valor agregado. Os importadores querem matérias-primas para nelas agregar valor lá fora. Devemos agregar valor aqui e temos tecnologia para isso. É necessário ter o Itamaraty como parceiro no desenvolvimento de política diplomática de apoio aos produtos brasileiros. Nossa diplomacia é reconhecidamente competente. Nossos diplomatas são exímios negociadores, porém não são ecléticos em saber as necessidades do agro. Precisam ser municiados pelo setor para efetuar com resultados positivos as negociações. No âmbito interno, a infraestrutura logística é fundamental.

Inspirada na experiência francesa, a Sociedade Nacional de Agricultura transformou seu Conselho Superior, composto por 40 membros em Academia Nacional e Agricultura em 2001. Possui importância estratégica. Sua função principal é traçar políticas que envolvam questões nas áreas do agronegócio, do meio ambiente e da pesquisa científica. É um centro de pensamento que poderá conduzir a agricultura brasileira à sustentabilidade.

presidente do IBPS

Fonte: Correio do Povo | Carlos Adílio Maia do Nascimento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *