Coca-Cola planeja expansão de contratos agrícolas

Segundo diretor, empresa quer incluir commodities como café, chá e frutas em seu portfólio

por Estadão Conteúdo

Ernesto de Souza

Coca-cola está usando mais adoçantes à base de milho em seus produtos

A Coca-Cola  planeja uma grande expansão de seu portfólio de contratos agrícolas para incluir commodities como café, chá e frutas. Além disso, em uma tentativa de cortar custos, a gignate norte-americana está usando mais adoçantes à base de milho em seus produtos.

Essas informações foram dadas pelo diretor de gerenciamento de risco de commodities agrícolas globais,Michael Ferrari, nesta terça-feira (16/10) nos bastidores de uma conferência sobre agricultura em Cingapura. "Na maior parte dos produtos da empresa, há uma clara mudança de direção para o uso de xarope de milho, que é mais barato do que o açúcar", disse o executivo.
O conceito de contrato agrícola também está ganhando terreno entre os fabricantes de alimentos e bebidas em todo o mundo, à medida que tentam manter um controle de qualidade rigoroso, expandir seus negócios pelo mundo e se proteger contra a volatilidade dos preços dos alimentos.
Em contratos agrícolas, as empresas fornecem insumos aos produtores e compram de volta a colheita a um preço predeterminado, desde que tenham sido respeitadas normas de qualidade durante a produção. "Nós adquirimos cana-de-açúcar com agricultores contratados e a esmagamos com usinas específicas para garantir a qualidade", disse Ferrari. No entanto, ele não forneceu números sobre o volume de milho e cana-de-açúcar adquiridos por meio de contratos agrícolas.
Segundo Ferrari, contratos agrícolas para cana-de-açúcar estão sendo feitos principalmente na Índia, Austrália, Tailândia, África do Sul, no Brasil e Egito. O executivo disse ainda que, para o milho, isso ocorre principalmente nosEUA, no Canadá, México e Brasil.
Ele adiantou também que a Coca-Cola planeja expandir suas atividades com contratos agrícolas na África para aproveitar a disponibilidade de grandes extensões de terra cultivável no continente. De acordo com Ferari, a empresa está expandindo a produção de produtos à base de chá e café e pretende replicar os modelos de contrato agrícola do milho e da cana-de-açúcar também nesses produtos. Esses contratos poderão ser aplicados na produção de mangas, maçãs e frutos silvestres destinados às bebidas fabricadas pela companhia.

Fonte: Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *