CMN define encargos para operações contratadas por grandes produtores

BRASÍLIA  -  O Conselho Monetário Nacional (CMN) editou novas resoluções que complementam as modificações propostas no Plano Safra 2014/15.

De acordo com Francisco Erismá, coordenador-geral de crédito rural e normas da Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda, o CMN definiu os encargos financeiros para as operações contratadas por produtores de maior porte para a realização de financiamentos de custeio e investimento em regiões atingidas pela seca.

Como a chuva já chegou a diversas regiões, explicou Erismá, apenas aquelas determinadas pelo Ministério da Integração Nacional, poderão utilizar o benefício.

Em linha com a alta na taxa de juros de outras modalidades de crédito rural, o encargo de custeio subiu de 5% para 6%, enquanto o custo para investimento subiu de 3,5% para 4,5%. No caso das linhas voltadas ao médio produtor (Pronamp) também nas regiões de seca, as taxas subiram de 4% para 5% para o custeio, enquanto a taxa para investimentos subiu de 2% para 3%.

Em outro voto, o CMN autorizou a criação de uma nova linha de crédito chamada Pronaf Produtivo Orientado, que disponibilizará crédito com assistência técnica obrigatória. Segundo Erismá, para operações na região Norte o agricultor familiar terá até R$ 4,5 mil para pagar por essa ajuda técnica a ser utilizada no desenvolvimento da produção. Para as regiões Centro-Oeste e Nordeste, o valor é de R$ 3,3 mil.

O CMN também deu novo estímulo à linha Pronaf Agroecologia, que beneficia o investimento em produtos chamados de agroecológicos. Os encargos financeiros dos investimentos caíram de 2% para 1%.

(Eduardo Campos e Edna Simão | Valor)

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico.
Leia mais em:

http://www.valor.com.br/agro/3593994/cmn-define-encargos-para-operacoes-contratadas-por-grandes-produtores#ixzz35kTqn2C4

Fonte: Valor | Por Eduardo Campos e Edna Simão | Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *