Clima preocupa triticultores do PR e RS, diz Cepea

 

Paranaenses ainda têm, no entanto, lavouras em boas condições; gaúchos enfrentam atraso no plantio

agricultura_trigo_ (Foto: Acervo/Ed. Globo)do Cepea apontam para baixa nos preços do trigo neste início de mês (Foto: Acervo/Ed. Globo)

Produtores de trigo do Paraná e do Rio Grande do Sul estão preocupados com o clima, diante de previsões que apontam para excesso de chuvas em regiões produtoras. A informação é do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

"Como estes são meses em que as lavouras de trigo estarão em período de desenvolvimento, chuvas podem prejudicar a qualidade e a produtividade do cereal. Até o momento, no entanto, o clima ainda segue favorável às lavouras nos dois estados", informa a nota.

No Paraná, dados do Departamento de Economia Rural mostram que 96% das áreas estão em boas condições. O Deral informa que 67% das lavouras estão em desenvolvimento vegetativo. Outros 23% estão em fase de floração. A área semeada chegou a 97% do previsto, que é de 1,324 milhão de hectares.

saiba mais

Já no Rio Grande do Sul, no seu mais recente informe conjuntural, a Emater, que faz a assistência técnica e extensão rural no estado, avalia que o clima está prejudicando o plantio e, em alguns municípios, produtores chegam até a considerar redução da área.

"Em boa parte das principais regiões produtoras, o período preferencial para a semeadura se encerrou, restando poucas zonas ainda com tempo hábil. Por ora, o desenvolvimento inicial da cultura é considerado satisfatório, com pequenos focos de doenças", diz o relatório.

A semeadura chegou a 68% da área prevista até o final da semana passada, um ritmo maior de trabalho de campo em relação ao plantio de 2014, quando, na mesma época, estava em 65% da área.

Mercado

Com relação aos preços, os indicadores do Cepea apontam para variação negativa neste início de mês. No Rio Grande do Sul, o indicador medido pela isntituição indica baixa de 3,76%, com a média de R$ 561,92 por tonelada. No Paraná, a desvalorização é de 0,69%, com a referência em R$ 641,62 a tonelada nesta terça-feira (7/7).

"Com moinhos bem abastecidos e estoques acima do que gostariam, as aquisições de novos lotes detrigo têm sido pontuais", avaliam os pesquisadores do Cepea.

Fonte : Globo Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *