CIDADANIA E JUSTIÇA – ‘Assentar famílias e desenvolver agricultura familiar são as prioridades’

Sustentabilidade

Patrus Ananias, titular do Desenvolvimento Agrário, diz que medidas são necessárias para sustentabilidade do meio rural

lAnanias destacou o projeto do executivo de assentar 120 mil famílias até o final de 2018

Ananias destacou o projeto do executivo de assentar 120 mil famílias até o final de 2018

Itens relacionados

Governo aplica R$ 7,7 milhões para atender populações sob insegurança alimentar

Comunidades quilombolas do RS e SP têm territórios reconhecidos pelo Incra

Agricultura familiar do RJ receberá R$ 150 milhões no ano-safra 2015/2016

Governo federal quer assentar 30 mil famílias em 2015

Governo libera R$ 3 milhões para trabalhadoras rurais de Pernambuco

Projeto Dom Helder Câmara atenderá 27 mil famílias

Prazo de entrega do Imposto Territorial Rural termina hoje

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, afirmou nesta quinta-feira que as duas frentes de trabalho prioritárias da pasta são o assentamento de famílias sem terra e o desenvolvimento da agricultura familiar. Segundo o ministro, elas são necessárias para que seja possível o crescimento sustentável do meio rural.

Em evento nesta quinta-feira (22), Ananias destacou o projeto do executivo de assentar 120 mil famílias até o final de 2018, em ação integrada com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA).

“Não podemos admitir que nossas famílias rurais permaneçam vivendo debaixo de lonas, elas precisam da dignidade de um teto”, disse o ministro. “Este ano já conseguimos assentar 15 mil famílias no campo”.

A previsão do ministério é usar o assentamento de famílias para ampliar o espaço de agricultura familiar, garantir uma forma de renda e, portanto, dar condições para o crescimento da população e fomentar o setor agrícola no País.

Segundo o ministro, 84% dos 5 milhões de agricultores brasileiros pertencem à categoria da agricultura familiar, mas só possuem 24% do território disponível para cultivo.

“Apesar dos avanços, a distribuição de terra continua desigual. Assentar as famílias do campo é dar condições para essas pessoas produzirem”, concluiu.

O governo também encontrou outras formas para promover o desenvolvimento da agricultura familiar. O ministro considera projetos que determinam a compra dos produtos deste setor por órgãos públicos como uma forma de agregar valor à produção.

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) destinou neste ano R$ 1,3 bilhão para a agricultura familiar ao garantir a venda de 30% de produtos do setor a órgãos federais, Estados e municípios. Também foi estipulado o mínimo de 30% para produtos de agricultura familiar no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), colocando o alimento do pequeno produtor rural nas merendas escolares.

"O acesso ao mercado é um dos pontos fundamentais para os trabalhadores rurais familiares", comentou.

Portal Brasil, com informações do Ministério da Agricultura

Fonte: Portal Brasil