Chuvas prejudicam a semeadura do milho

As fortes chuvas ocorridas no Rio Grande do Sul na última semana impediram o início do plantio do milho em algumas regiões do Estado. No entanto, os técnicos da Emater avaliam que o fato não trará prejuízo para a cultura, já que a janela de plantio do grão vai até o mês de janeiro.
As precipitações atrasaram a preparação do solo feita pelos agricultores. Segundo Cláudio Doro, engenheiro-agrônomo do escritório regional da Emater de Passo Fundo, no ano passado, cerca de 20% das lavouras de milho da região já estavam semeadas nesta época. Neste ano, o percentual é mínimo, de até 2%, pois poucos foram os produtores que arriscaram entrar nas áreas de plantio. “Nos últimos 10 dias, tivemos alto volume de chuva e dias encobertos. Isso fez com que os agricultores protelassem a implantação da cultura. A indicação agora é que se observe a temperatura do solo, pois o ideal é que o plantio seja feito em uma temperatura de até 18°C e hoje está em 14°C”, explica.
Segundo Doro, o susto inicial com o grande volume de chuva na região já passou. O agrônomo informa que o normal para a última semana de agosto é de uma precipitação de 187,8 milímetros, enquanto, neste ano, o volume total foi de 394 milímetros. Mesmo assim, o técnico avalia que não foram registrados danos para as lavouras até o momento. “Além do trigo, a canola e a cevada estão bem. Havia uma preocupação dos produtores, mas circulamos por algumas lavouras pelo interior e não vimos nenhum problema nas culturas”, afirma Doro.
Na região de Lajeado, conforme o gerente adjunto da Emater no município, Diego Barden dos Santos, o prejuízo maior foi registrado em solos descobertos e nas pastagens, que afetaram principalmente o gado leiteiro. “Os animais não foram colocados no pasto para se alimentar durante esses dias de chuva e a alimentação foi feita à base de silagem e ração. A indicação é que deveremos ter entre 10% e 15% de redução na produção de leite aqui da região”, avalia.
Santos também afirma que a produção de milho da região deverá sofrer atrasos. O zoneamento climático da maior parte dos municípios do entorno de Lajeado já permite o plantio desde o dia 20 de agosto. Mas o representante da Emater analisa que os produtores terão tempo para recuperar o período perdido. “Ninguém quis se arriscar para evitar perdas”, comenta.
No fumo, de acordo com o diretor-tesoureiro da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Marcílio Drescher, o problema maior pode ocorrer no desenvolvimento de algumas plantas devido à chuva e à baixa temperatura. Cerca de 70% das lavouras já foram semeadas no Vale do Rio Pardo, enquanto regiões como a Serra Gaúcha e a Metade Sul ainda estão no início do plantio. “O que pode ocorrer é um problema de crescimento do fumo, mas isso afeta mais a produtividade com menor número de folhas. Mas ainda é cedo para avaliar qualquer perda”, ressalta o diretor da Afubra.

Fonte : Jornal do Comércio | Nestir Tipa Júnior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *