CEPLAC – Equipe do Mapa visita região produtora de cacau no estado do Pará

O grupo esteve na Estação de Recursos Genéticos José Haroldo, na Estação Experimental Paulo Morelli e em cooperativas e produtores de cacau da região

1 - CEPOTX.jpg

3.jpeg

8.jpeg

9.jpeg

WhatsApp Image 2021-08-04 at 17.45.56 (1)3.jpeg

WhatsApp Image 2021-08-05 at 10.33.478.jpeg

Para conhecer de perto os desafios e oportunidades da produção de cacau no Pará, equipe do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) realizou visita técnica à região da Transamazônica, que concentra a maior quantidade de área plantada de cacau no estado e também a de maior produtividade, e ao município de Tomé-Açu.

Participaram o secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação, Fernando Camargo, o diretor da Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac), Waldeck Araújo, o chefe do Serviço de Pesquisa na Superintendência da Ceplac para o Pará e Amazonas, Fernando Mendes, entre outros técnicos e pesquisadores.

Durante a visita técnica, que ocorreu entre 26 e 30 de julho, a equipe do Mapa esteve na Estação de Recursos Genéticos José Haroldo (ERJOH) e na Estação Experimental Paulo Morelli (ESPAM), visitou cooperativas e produtores de cacau da região, fábricas de produção de nibs e de chocolate.

A Estação de Recursos Genéticos José Haroldo, localizada em Marituba, no Pará, abriga o maior banco de germoplasma de cacau do mundo, onde mais de 53 mil espécies coletadas ao longo de vários anos são preservadas vivas. “Fiquei impactado com o potencial da cadeia do cacau no estado, justamente por temos o maior banco de germoplasma do mundo, com mais de 2 mil acessos, o que significa mais de 2 mil plantas de cacau que guardam a riqueza genética da espécie”, destaca o secretário Fernando Camargo.

Com produção anual estimada em mais de 220 mil toneladas, o Brasil é hoje o 7º produtor mundial de cacau e o 5º produtor de chocolate do mundo. Contudo, existe um déficit de produção de cacau para atender a demanda interna na ordem de 70 mil toneladas.

“Estabelecemos uma meta no Mapa, para atingirmos a autossuficiência em 2025. O que significa aumentar a nossa produção interna. Então, o que queremos é conhecer como que está acontecendo a produção e avaliar que tipo de apoio pode ser dado para ampliá-la e também para aumentar ainda mais a qualidade dessa produção”, destaca o diretor da Ceplac, Waldeck Araújo.

Além de conhecer de perto a região Transamazônica, que é a maior produtora de cacau do Pará, responsável por mais de 80% da produção do estado, o grupo dialogou com diversos atores da cadeia produtiva para entender os principais desafios.

9.jpeg

Agenda

O primeiro município visitado, Altamira, concentra mais de 2.500 produtores, 17.359 hectares de cacaueiros implantados e produção média de 11.400 toneladas (2020). O grupo foi recepcionado na Cooperativa Central de Produção Orgânica da Transamazônica e Xingu (Cepotx), que reúne 178 famílias, produz 642 toneladas de cacau por ano e exporta para Holanda, Alemanha e outros países. A cooperativa aposta na qualidade e possui certificação de cacau orgânico da União Europeia e dos Estados Unidos.

Representantes do Mapa também estiveram no município de Brasil Novo, onde estão 1.328 produtores de cacau e são produzidas 7.600 toneladas (2020). No local, visitaram fazenda com plantação de cacau de alta produtividade (2.600 kg/ha) e fábrica de chocolate artesanal.

Em Medicilândia, além de conversar com produtores locais, a equipe do Mapa visitou a fábrica de chocolate mais antiga da Transamazônica, a CacauWay, e a primeira indústria beneficiadora de cacau da Transamazônica, a Gencau Pará, que tem capacidade para produzir 18 mil toneladas de nibs por ano. O município concentra 2.740 produtores, 46.108 hectares de cacaueiros implantados e produz 58.900 toneladas (2020).

Na região Nordeste do Pará, a visita técnica ocorreu no município de Tomé-Açu, onde a equipe do Mapa visitou duas fazendas produtoras de cacau, além da Cooperativa Agrícola Mista de Tomé-Açu (CAMTA), que investe no desenvolvimento do cultivo sustentável do cacau e já recebeu, em 2010, o reconhecimento Cacau de Excelência pela International Cocoa Awards.

“Conseguimos fazer reuniões com o estado, com o presidente da federação, conversamos com produtores, visitamos cooperativas e fábricas. Conseguimos entender as necessidades e vamos cooperar para a manutenção e crescimento da produção de cacau no país e buscar fortalecer cada vez mais a pesquisa da Ceplac especialmente quanto ao melhor uso do banco de germoplasma”, diz Waldeck Araújo, destacando o compromisso do Mapa com a cadeia produtiva do cacau.

Segundo ele, durante a visita foram apresentadas demandas como a realização de capacitações para fortalecimento da gestão e governança das cooperativas, a ampliação na oferta de cursos de produção de chocolate artesanal para as mulheres da região, o apoio para solucionar as dificuldades logísticas de escoamento da produção de chocolate com redução de custos e a disponibilização de financiamento para capital de giro.

Os dirigentes do Mapa participaram de reuniões com o secretário interino de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca do Pará, Giovanni Queiroz; com o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Pará (Faepa), Carlos Xavier; com o presidente do Conselho de Administração do Sicoob Transamazônica, Antônio Henrique Gripp, e com a presidente da Câmara Setorial do Cacau da Faepa, Maria Goretti Gomes.

Dados

A Transamazônica é formada pelos municípios de Novo Repartimento, Pacajá, Anapu, Vitória do Xingu, Altamira, Brasil Novo, Medicilândia, Uruará, Placas, Rurópolis e Itaituba, que, juntos, possuem mais de 155.900 hectares de cacaueiros, cerca de 18 mil cacauicultores e produziram mais de 100 mil toneladas de cacau em 2020.

Já a região Nordeste do Pará, composta pelos municípios de Santa Isabel do Pará, Santa Bárbara do Pará, Castanhal, Acará e Tomé-Açu, conta com 10.325 hectares de cacaueiros. No ano de 2020, a região, que possui 2.550 cacauicultores, produziu cerca de 4 mil toneladas de amêndoas.

Informações à Imprensa
Adriana Rodrigues
imprensa@agricultura.gov.br

Fonte : Mapa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *