CANANOTÍCIAS – PERSPECTIVA – Preço do etanol deve recuar a partir de abril

Início da próxima safra de cana-de-açúcar deve pressionar preços, prevê Udop

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Moagem de cana no Centro-Sul atinge 25,61 mi de ton nos 15 primeiros dias de novembro
Etanol desvaloriza após três meses de alta
O presidente executivo da União dos Produtores de Bioenergia (Udop), Antonio Cesar Salibe, avaliou que o preço do etanol deve recuar apenas a partir de abril de 2016, com o início da próxima safra de cana-de-açúcar. E devem se recuperar mais para frente, ao fim da safra 2016/2017. "Esperamos que no ano que vem [o preço do etanol] seja melhor que este ano e ao menos remunere a produção", disse Salibe.

O executivo lembrou que o etanol, apesar de ter recentemente superado recordes históricos de preços nas usinas e nas bombas, em valores absolutos, enfrentou valores baixos durante o período de colheita da safra 2015/2016, iniciado em março.

Já para o açúcar, a expectativa é de preços melhores por conta da produção menor no Brasil e em países concorrentes. "Além da produção menor aqui, houve uma frustração de safra na Índia e em outros países por questões climáticas", avaliou.

As recentes chuvas nas regiões produtoras do Centro-Sul do Brasil têm um lado positivo e outro negativo, segundo o presidente executivo da Udop. "Estamos tendo uma soqueira (cana já cortada e que será novamente colhida em 2016) boa e no ano que vem, dependendo das chuvas de janeiro e fevereiro, esperamos repetir a produção deste ano, que foi muito boa", afirmou. "Em contrapartida, a gente tem mais dificuldade de moer a safra atual, porque essas chuvas fazem com que paremos (a colheita)", completou.

Salibe estima que cerca de 60 milhões de toneladas de cana ainda devem ser moídas até março, fim da safra 2015/2016, e avalia que muitas usinas seguirão o processamento e produzindo açúcar e etanol em janeiro e fevereiro de 2016. "Tem muita cana e as chuvas atrapalharam a colheita e a moagem. Ao contrário do ano passado, quando em meados de novembro muitos tinham parado", concluiu.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *