CANA –DEMANDA FORTE – Maior uso do etanol ameaça produção de açúcar

Meta de produção do Brasil de 50 bilhões de litros até 2030 deve causar maior volatilidade no mercado de açúcar

NOTÍCIAS RELACIONADAS
Preço do açúcar sobe 35% no ano e etanol está em alta há 10 semanas
Déficit mundial de açúcar será maior do que esperado, diz consultoria
Exportação de açúcar em contêiner atinge 1,6 milhão de toneladas até outubro
OIA eleva previsão de déficit global de açúcar
A meta do governo brasileiro – que deve ser anunciada durante a convenção global do clima, a COP21, em Paris – de produzir 50 bilhões de litros de etanol até 2030 poderia causar maior volatilidade no mercado de açúcar, ao desestabilizar o balanço de produção de açúcar e etanol. A avaliação é de Plinio Nastari, presidente da consultoria Datagro, durante um seminário da Organização Internacional do Açúcar (OIA), que ocorre em Londres.

A imposição do aumento da produção e exportação de etanol poderia reduzir a capacidade de produtores de escolher entre as duas commodities de acordo com os fundamentos de oferta e demanda, comentou Nastari.

O presidente da Datagro afirmou, ainda, que o recente aumento dos preços de açúcar no mercado internacional não é suficiente para incentivar investimentos no aumento da capacidade de moagem de cana-de-açúcar no Brasil. As dívidas das usinas ainda são altas demais para permitir programas de investimento nos preços atuais, segundo ele.

Volatilidade

As mudanças climáticas e o aquecimento global devem elevar a volatilidade dos preços do açúcar no mercado internacional, afirmou o analista Jonathan Kingsman, durante seminário. "Parece que o aquecimento global é uma realidade e os padrões climáticos estão confusos", disse.

O analista afirmou, ainda, que uma grande incerteza no mercado é a influência dos fundos de investimento e de especuladores nos movimentos de preços. O fluxo de capital institucional nos mercados futuros e de fundos indexados em commodities foi impulsionado por um paper publicado em 2005 por Gary Gorton e Geert Rounwehorst, que mostrou que os mercados de commodities têm uma relação inversa às oscilações do mercado de ações e que poderiam servir como hedge (proteção de capital) contra a inflação.

Entretanto, Kingsman lembra que essa relação se enfraqueceu com o desaquecimento da demanda chinesa, o que levou alguns fundos a reduzirem a exposição a commodities.

Fonte : Canal Rural

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *