CAMPO E LAVOURA – RUMOS – Nei César Mânica: "Expodireto-Cotrijal contribui para ganhos de produção e produtividade"

Presidente da Cotrijal e idealizador da feira projeta gerar negócios acima de R$ 2,2 bilhões

Diogo Zanatta / EspecialReferência em inovações tecnológicas, evento se tornou uma das principais feiras de tecnologia do agronegócio no BrasilDiogo Zanatta / Especial

Todos os anos, quando os portões da Expodireto-Cotrijal se abrem, um mundo de possibilidades surge diante dos olhos dos milhares de visitantes que acessam o parque.

Na mostra, em Não-Me-Toque – capital nacional da agricultura de precisão –, tem espaço para todo o tipo de cultura e tamanho de lavoura. Em 20 anos, a feira ganhou notoriedade, transformou vidas, modelos de negócios e hoje inspira produtores e investidores dos cinco continentes.

Exponencial do agronegócio, atrai pela inovação e aporte de tecnologia. Proposta arrojada, na época, foi galgando espaço graças à persistência de seus idealizadores, parcerias com grandes empresas do setor, instituições de pesquisa e de crédito. Hoje, registra números robustos que a colocam como uma das principais feiras de tecnologia do agronegócio no Brasil e no mundo.

Fonte segura de inovações tecnológicas, de métodos de cultivo mais modernos, de crédito no momento oportuno e em volume adequado, a Expodireto contribui para ganhos excepcionais de produção e produtividade.

Um exemplo dessa evolução no campo é o que se verifica nas lavouras do norte do Estado. O acesso do produtor a novas tecnologias, informações privilegiadas e boas oportunidades de negócios, tem elevado a região assistida pela Cotrijal ao patamar de campeã de produtividade no Rio Grande do Sul, principalmente na soja. O grão que rendia 33,5 sacas por hectare de média, em 1999, na safra passada, fechou em 67,4 sacas por hectare.

O acesso do produtor a novas tecnologias, informações privilegiadas e boas oportunidades de negócios, tem elevado a região assistida pela Cotrijal ao Patamar de campeã de produtividade no Rio Grande do Sul.

Isso, por si só, já justifica o forte interesse do produtor que circula pelos 98 hectares do parque. Desde 2000, o número de frequentadores cresceu mais de 500%. A feira não só dá visibilidade para demandas que norteiam a cadeia produtiva do agronegócio nacional como também faz parte de toda a boa safra. Na carona da mostra, o comércio e turismo da região também ganham. Os cinco dias de feira representam safra recorde para esses setores. Muitas empresas se desenvolveram na região.

Com o empresariado mais otimista em relação aos rumos da economia brasileira e mais disposto a investir, a projeção para essa edição histórica é gerar negócios acima de R$ 2,2 bilhões do ano anterior. Os indicativos de uma boa safra de grãos na região também aumentam expectativa de fazer a maior e melhor feira de todos os tempos. O esforço é para isso.

NEI CÉSAR MÂNICA

NEI CÉSAR MÂNICA

Presidente da Cotrijal

Fonte : Zero Hora

Compartilhe!