CAMPO E LAVOURA – Área de soja em rotação com arroz triplica no RS

Em apenas uma década, a soja avançou com grande velocidade sobre áreas de produção do arroz no Rio Grande do Sul. Na safra colhida, alcançou 370,59 mil hectares, 205% a mais do que no ciclo 2011/2012, aponta o Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga). A rotação entre as culturas tem mostrado bons resultados agronômicos e financeiros. No mesmo intervalo de tempo, a produtividade avançou e, apesar de oscilações, fechou este ano com o melhor resultado: 52,3 sacas por hectare (em linha com a média do RS).

Coordenador da Zona Sul do Irga, o engenheiro agrônomo André Matos pontua que o espaço dedicado ao arroz tem ficado perto de 1 milhão de hectares, com alta de quase 40% de soja, em alternância:

– Pelo crescimento que vem tendo, nossa projeção é de que se chegue a 500 mil hectares de soja em áreas de arroz no médio prazo, dentro de cinco anos.

Entre os benefícios da rotação, Matos cita a prevenção e o manejo da resistência a produtos utilizados, melhora da fertilidade do solo e da produtividade. Mais recentemente, a pecuária entrou no sistema de rodízio no inverno. E com isso, cria-se outra vantagem.

– O produtor vai fazer um preparo de solo para três culturas: arroz no verão, "carne" no inverno e soja no verão seguinte. Intensifica toda a propriedade e regula o fluxo de caixa – explica o coordenador.

Esse é um dos impactos econômicos gerados. Outros elencados são emprego, renda e riqueza. Além de dar ao produtor opções.

Matos aposta na inclusão de outra cultura no sistema de rotação. O milho, que surge como uma promessa, desde que haja avanço na irrigação.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *