CAMPO E LAVOURA – Primeira Expointer Digital termina com saldo positivo

Entre acertos e deslizes, a primeira Expointer Digital chegou ao fim, ontem, com saldo positivo. Foram nove dias de feira em formato híbrido, com julgamentos, provas e leilões realizados sem público no parque Assis Brasil, em Esteio, e transmissão ao vivo pela internet. O pavilhão da agricultura familiar foi transformado em drive-thru, permitindo que consumidores adquirissem artigos coloniais sem sair do carro.

A feira digital foi articulada em menos de 30 dias. Com 187 mil acessos até a tarde de ontem, a plataforma de transmissão da programação é um dos legados que ficará para as próximas edições.

– A feira deverá seguir em formato híbrido, tendo simultaneamente a exposição física, mas agora também com essa plataforma digital – diz o secretário da Agricultura, Covatti Filho.

Por outro lado, o secretário reconhece que, no início, a plataforma teve problemas e que o pouco tempo para formatar a programação prejudicou a divulgação. Isso afetou a participação do público e de mais expositores nos estandes virtuais. Em 2019, a feira presencial teve 416 mil visitantes.

A circulação no parque ficou restrita a profissionais envolvidos nas atividades. Quase 2 mil testes rápidos de covid-19 foram aplicados, com cerca de 50 casos positivos. Porém, mesmo com a adoção de protocolos de segurança, era possível flagrar falhas, como pessoas com máscaras mal colocadas ou efusivos apertos de mãos em premiações.

Único local aberto a visitantes, o drive-thru da agricultura familiar recebeu cerca de 2,1 mil veículos. Os 55 expositores negociaram R$ 400 mil, quase 10% do volume do ano passado, quando havia 330 participantes.

– Talvez não seja movimento intenso, por ser uma modalidade nova, mas o drive-thru cumpriu seu papel e atendeu às expectativas. Muitos produtores devem abrir mercados após a feira – ressalta Jocimar Rabaioli, assessor de política agrícola da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado (Fetag).

Para o presidente da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac), Leonardo Lamachia, a Expointer Digital realizada em cenário de adversidades ficará marcada na história.

– Pelo simples fato de termos conseguido realizar o evento, a análise é positiva. Que se saiba, é a única exposição (rural) no mundo que acabou sendo realizada (na pandemia) – lembra.

Campeões nas pistas

O último dia de atividades da Expointer Digital no parque estadual de exposições Assis Brasil, em Esteio, foi marcado pelas competições de equinos.

Após 230 animais desfilarem durante três dias em pista, foram conhecidos os campeões da final nacional da morfologia do cavalo crioulo, promovida pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos (ABCCC).

O melhor exemplar da raça foi a grande campeã das fêmeas, a égua Basca Constância (foto). O animal pertence à expositora e criadora Mariana Franco Tellechea, da Cabanha Basca, de Uruguaiana, na Fronteira Oeste.

Enquanto isso, o grande campeão dos machos foi o cavalo Bueno de Quaraci, da expositora e criadora Rosalie Tavares Negrini Jones, da Cabanha Quaraci. O criatório fica em Santa Cruz do Sul, no Vale do Rio Pardo, e havia vencido o Freio de Ouro 2020 nas fêmeas, com a égua Balisa III do Itapororó.

Também foi concluída ontem a 13ª edição do Congresso Brasileiro de Laço Comprido.

A competição é organizada pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM). Foram três dias de atividades até o reconhecimento dos vencedores nas diferentes categorias da raça quarto de milha.

As finais dos eventos, que costumavam mobilizar milhares de pessoas em Esteio, neste ano não tiveram público.

Devido à pandemia de coronavírus, o acesso às provas acabou sendo restrito apenas aos profissionais envolvidos nas competições.

A Expointer de 2021 tem data definida. a exposição agropecuária ocorrerá entre 28 de agosto e 5 de setembro, no parque de exposições assis brasil, em esteio.

o objetivo é voltar a realizar o evento com presença do público e programação completa, mas mantendo atrações digitais no período.

Benefícios da lavoura de arroz

Um estudo realizado pelo Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga) detectou que a lavoura de arroz irrigada funciona como uma espécie de filtro, devolvendo água de melhor qualidade para os mananciais hídricos.

A constatação foi obtida após o monitoramento de 77 lavouras e corpos hídricos na safra 2019/2020.

– Isso demonstra os benefícios que a lavoura de arroz, quando bem irrigada, agrega à sociedade gaúcha – aponta a engenheira agrônoma Mara Grohs, pesquisadora responsável pelo projeto.

O objetivo do trabalho era determinar parâmetros físico-químicos da água nas lavouras de arroz irrigadas 15 dias após a floração, quando a área já poderia ser drenada para a colheita no seco. As coletas foram realizadas pela equipe de extensão rural do Irga em 32 municípios gaúchos.

Trigo

Foi dada a largada à colheita da principal cultura de inverno do Rio Grande do Sul. No Noroeste do Estado, o trigo começou a ser retirado das lavouras na semana passada.

No entanto, os grãos das primeiras áreas colhidas apresentaram pH abaixo de 78, considerado um indicador de baixa qualidade.

Além disso, a geada ocorrida em agosto acabou reduzindo a produtividade em algumas áreas.

Sementes não solicitadas

O Ministério da Agricultura registrou, até o momento, a entrada de 199 pacotes de sementes não solicitadas em 23 Estados, incluindo o Rio Grande do Sul, e no Distrito Federal. Os objetos são originários da Ásia, de locais como China, Malásia e Hong Kong.

O ministério orienta as pessoas a não abrirem os pacotes não solicitados recebidos pelo correio. Até o momento, não é possível apontar os riscos envolvidos. Neste sentido, o pacote não deve ser descartado no lixo e as sementes não devem ser plantadas, pois ainda não há estudos conclusivos sobre os riscos do material.

Quem receber os pacotes deve entrar em contato com a Superintendência Federal de Agricultura no Estado ou órgão estadual de defesa agropecuária para providenciar a entrega ou recolhimento do material. O alerta vale para recebimento de sementes vindas de qualquer país, e não somente da China.

FERNANDO SOARES | INTERINO

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *