CAMPO E LAVOURA – Pressão nos derivados

Nem mesmo o início da colheita do trigo no Rio Grande do Sul tem feito a cotação do cereal ceder no mercado interno. A tonelada já é comercializada acima de R$ 1,4 mil no Estado, um recorde histórico, e começa a pressionar os preços dos derivados. O Sindicato da Indústria do Trigo no Rio Grande do Sul (Sinditrigo-RS) projeta reajuste de 20% no preço da farinha a partir de novembro, o que acabará elevando o custo de pães, massas e bolachas para o consumidor.

– Isso (20%) é o mínimo para os moinhos poderem seguir operando. Não há outra alternativa – define Diniz Furlan, presidente do Sinditrigo-RS, lembrando que a cotação do cereal acumula elevação de 94% em um ano.

A valorização do trigo em 2020, assim como de outros produtos agrícolas, é puxada pela alta do dólar. Historicamente importador do produto, o Brasil teve de intensificar a busca pela matéria-prima no Exterior. Isso porque parte da produção nacional, cerca de 950 mil toneladas, foi exportada. O país consome em torno de 13 milhões de toneladas e produz somente 6 milhões por safra.

De quebra, o clima deve afetar a produção do Rio Grande do Sul, principal produtor no país ao lado do Paraná. Por causa da geada em agosto e o tempo seco entre setembro e outubro, a colheita gaúcha projetada pelo setor é de 2 milhões de toneladas, ficando abaixo das 3 milhões de toneladas esperadas inicialmente.

fernando.soares@zerohora.com.br

FERNANDO SOARES – INTERINO

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *