CAMPO E LAVOURA – Pragmatismo na hora das exportações

Contra números não há argumentos: as exportações do agronegócio tiveram em 2020 um ano singular, de faturamento recorde. Até o acumulado de outubro, foram US$ 85,8 bilhões. A cada US$ 10 em vendas externas do Brasil, US$ 5 eram de produtos do setor, pontuou Lígia Dutra, superintendente de Relações Internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) no balanço da entidade. Sem surpresas, a China chega com folga na primeira posição, somando US$ 30,8 bilhões.

Sobre desconfortos políticos com os parceiros importantes, o presidente da CNA, João Martins, enfatizou que a entidade procura sempre "se afastar de ideologia, de declarações de governo". Acrescentou que tem conversado com o embaixador da China e relatou também ter sido procurado pelo embaixador dos EUA:

– Somos produtores rurais e precisamos exportar, o consumo interno não é suficiente. Para colocar o produto para fora, não temos de ter ideologia. É mercado, quem paga melhor, quem compra nosso produto.

Lígia acrescentou:

– O comércio é pragmatismo. Nossa relação com a China é muito positiva, temos escritório lá. Existem, dentro do ambiente internacional, tensões, mas não são exclusivas do Brasil.

Atual vice-presidente, Sérgio Souza (MDB-PR) foi eleito novo presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). Formado em Direito e especializado na área eleitoral, já foi senador e está em seu segundo mandato como deputado. Ficará no comando no biênio 2021-2022 e sucederá Alceu Moreira (MDB-RS). A vice-presidência na Região Sul ficará com Ronaldo Santini (PTB-RS).

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *