CAMPO E LAVOURA – Os temas que a ministra da Agricultura ouvirá na Expointer

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, passa hoje pelo parque Assis Brasil, em Esteio. Receberá a medalha Paulo Brossard, com outras cinco personalidades do agronegócio. Outras atividades dentro da programação da feira estão previstas. E como não é todo dia que a ministra vem, entre uma agenda e outra, assuntos que estão no radar do setor deverão ser endereçados.

Um deles é a criação de um fundo nacional de indenização em caso de focos de aftosa levarem à necessidade de abate de bovinos e bubalinos. O Estado, com o Paraná, está no processo de busca do status de livre da doença sem vacinação.

– Quero saber como está o estudo. Este é o tema que tenho para conversar com a ministra – resume Gedeão Pereira, presidente da Federação da Agricultura do Estado (Farsul).

A preocupação é em garantir que os investimentos feitos em genética venham a ser considerados para fins de indenização, caso seja necessário. A questão entra também na lista da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac), que pretende falar ainda sobre segurança no meio rural.

– Precisamos pensar em uma política nacional. O produtor tem estoque a céu aberto – diz o presidente Leonardo Lamachia.

Para Carlos Joel da Silva, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetag-RS), uma questão importante a ser resolvida é em relação à disponibilidade de "milho balcão", modalidade do governo federal que tem como principal vantagem a eliminação do custo de produção. A iniciativa é vista como fundamental diante da alta nos custos de produção. O grão é um dos ingredientes da alimentação de animais.

– Outra pauta será a de que já estão faltando recursos do BNDES nas linhas do Pronaf de investimentos – acrescenta.

Com apenas três meses de vigência do Plano Safra 20/21, escassez de crédito em linhas usadas para a compra de equipamentos igualmente mobilizam o Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos (Simers):

– Foi pouco dinheiro e muita venda – entende Claudio Bier, presidente da entidade.

Vergilio Perius, presidente do Sistema Ocergs, levará uma preocupação, referente às cooperativas de crédito que atuam no agro, e duas propostas: linha para novas plantas de agroindústrias e parceria para desenvolver projeto de construção de moradias populares.

Envelopes misteriosos: 181 amostras

Na mais recente atualização, o Ministério da Agricultura contabiliza 181 amostras de envelopes misteriosos contendo sementes não solicitadas. O material será analisado em laboratório para identificação da espécie e verificação se há ou não a presença de organismos como fungos, insetos ou plantas daninhas. As coletas são de 17 Estados, incluindo o Rio Grande do Sul, e o Distrito Federal.

A superintendência regional do ministério e a Secretaria da Agricultura gaúcha somavam, até ontem, 15 amostras, que eram apontadas como o maior número do país. Mas a atualização nacional ainda não foi sistematizada por Estados.

– Está em uma crescente o número de relatos – confirma Ricardo Felicetti, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Secretaria da Agricultura.

no radar

Encaminhando-se para os três últimos dias, a Expointer 2020, na sua versão híbrida, contabilizava 130,88 mil visitas à plataforma virtual (expointer.rs.gov.br). Somente ontem foram 31,56 mil novos acessos. Nesta sexta-feira, a partir das 11h, no canal 1, será transmitido o desfile dos grandes campeões, que ocorre na pista central do parque Assis Brasil.

Surpresa na festa do leite

A estreante Granja Bazzoti, de Ponte Preta, no norte do Estado, fez dobradinha no concurso leiteiro da raça holandesa na Expointer: venceu nas categorias jovem e adulta. E, em ano de pandemia, também houve inovação na hora de celebrar as campeãs, com o tradicional banho de leite dando lugar a uma chuva de confetes. Algo inédito na história da competição realizada pela Associação dos Criadores de Gado Holandês (Gadolando).

– Tivemos esse cuidado pelo protocolo sanitário: não molhar as pessoas, não deixá-las com a máscara molhada, uma vez que podiam demorar para tomar um banho. Foi por isso a inovação, eles não sabiam – esclarece Marcos Tang, presidente da Gadolando, que também é médico.

Surpreendido pela novidade, Mateus Bazzotti, um dos proprietários, diz se sentir orgulhoso pelo trabalho realizado e por levar títulos na estreia da participação, com as vacas Vetia e Onca, como são chamadas as campeãs adulta e jovem. Oficialmente, são Santa Clara Bazzotti 352 Garrett, que produziu o equivalente a 76,7 litros de leite, e Santa Clara Bazzotti 491 Josuper, com 75,85 litros (na disputa, a medida é em quilos).

A preparação especial começou há cerca de 60 dias. Elas foram colocadas em local separado, com ventilação, água e alimentação balanceada. O ingrediente especial, no entanto é outro:

– Muito amor e dedicação, o melhor remédio que a gente pode dar para elas – diz Bazzotti.

Na competição, são feitas cinco ordenhas – as duas maiores são excluídas, e as restantes, somadas. Nesta edição, estavam disputando o concurso cinco vacas adultas e seis jovens.

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *