CAMPO E LAVOURA | O que fez o produtor voltar a apostar na safra de inverno

A combinação das perdas na safra de verão com a valorização das cotações é o estímulo extra para produtores do Rio Grande do Sul apostarem nas lavouras de grãos de inverno. Tanto que a área será a maior em cinco anos, aponta o primeiro levantamento de safra da Emater. A projeção é de 1,3 milhões de hectares cultivados no período, somando aveia branca (grão), canola, cevada e trigo.

A expansão é puxada pelo trigo, que deve ter aumento de 20,34% sobre a safra passada, ficando em 915,71 mil hectares. Ainda assim, inferior a 1 milhão de hectares – a última vez que em que se bateu essa marca foi em 2014.

Nesta estimativa a projeção é feita com base em uma média histórica. Diretor técnico da Emater, Alencar Rugeri elenca dois fatores pontuais que contribuíram para o aumento:

– Produtores estão saindo de uma dificuldade trazida pela safra de verão. E cultura está valorizada neste momento.

Apesar dos ingredientes preço e estiagem, Rugeri avalia que o avanço também é reflexo de produtores que implantam um sistema de produção, baseado em planejamento, profissionalismo e gestão. Metade da ampliação pode ser creditada ao "impacto do momento" e metade aos agricultores sustentando a atividade com esse tripé.

Para Paulo Pires, presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias (Fecoagro-RS), a alta dos preços é o grande incentivador do aumento de área. A entidade também estimava crescimento na casa de 20%. Esse avanço, acrescenta, não deve se restringir ao trigo, se estendendo ao milho e até à soja na próxima safra de verão.

– Mesmo que essa valorização venha acompanhada de alta nos custos. O preço é o grande protagonista do momento na agricultura brasileira – pondera o dirigente.

Apesar da área maior, da previsão de tempo favorável e da aposta de investimento, a produtividade inicial, calculada pela média histórica, foi projetada em 2.391 quilos por hectare, e a produção, em 2,19 milhões de toneladas.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora

Compartilhe!