CAMPO E LAVOURA – O que faz a colheita de trigo no Ceará ser notícia

Cultura típica de regiões mais frias, como as do Sul, o trigo vai sendo experimentado em novas paisagens do Brasil. A busca por novas fronteiras agrícolas, exemplificada com a notícia da primeira colheita no Ceará, reflete a tentativa de equacionar o descompasso entre oferta e demanda pelo cereal. Para fazer frente às quase 13 milhões de toneladas utilizadas no país, é necessário importar volume semelhante ao produzido dentro de casa.

A colheita nacional, com Paraná e Rio Grande do Sul na ponteira, está estimada em 6,81 milhões de toneladas segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). No Estado, as lavouras estão com desenvolvimento satisfatório, segundo avaliação da Federação das Cooperativas Agropecuárias (Fecoagro). Mas a expectativa de uma grande safra, com área 26,4% maior, foi comprometida pela geada. O fenômeno, no final de agosto, foi registrado em locais onde o plantio é mais cedo e que poderão ter perdas de até 30%. Nas demais regiões, não são estimados impactos significativos por conta da etapa do desenvolvimento em que estava a cultura.

– Certeza de prejuízos saberemos apenas na colheita, que deve se iniciar em outubro – observa o presidente da entidade, Paulo Pires.

Presidente da Comissão de Trigo da Federação da Agricultura do Estado (Farsul), Hamilton Jardim reforça a dificuldade de mensurar os danos causados pela geada:

– Acho que em uma área de 930 mil hectares ainda temos condições de ter produção em torno de 2,5 milhões de toneladas se, daqui para frente, não houver nenhum problema.

Nas novas áreas há muito trabalho a ser feito para ganho de representatividade – hoje, RS e PR concentram quase 90% da safra nacional. Mas o esforço em fazer o trigo retomar áreas expressivas no país existe. A colheita no Ceará é resultado de parceria entre iniciativa privada e Embrapa. E seu significado está mais no contexto do que no volume: o Nordeste importa quase 100% do cereal que consome.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *