CAMPO E LAVOURA | No rastro da produção…

No levantamento que fecha o estudo sobre carnes, a Federação da Agricultura do Estado (Farsul) mostrou o consumo per capita anual total, somadas as proteínas de frango, suínos e bovinos. A análise avalia parte de 1990 e acompanha a evolução até 2028, com base em dados da OCDE.

Um dos pontos destacados é a relação entre produção e demanda. Países que estão entre os maiores produtores também aparecem na lista dos que têm maior consumo. O Brasil é citado como exemplo. Mesmo com renda inferior à de países da Europa, tem consumo maior.

– Ninguém duvida que na Suíça as pessoas tenham muito mais dinheiro, mas a diferença da renda delas para a nossa é menor do que a do preço da carne deles para a nossa. Então, o aprendizado número um é que grandes consumidores são, em geral, grandes produtores. Países que produzem carne para exportar são também os que mais consomem. Porque a larga produção aumenta a disponibilidade interna – observa Antônio da Luz, economista-chefe do Sistema Farsul.

…e da economia

O momento econômico é outro item importante quando se fala de consumo de proteína animal. O economista da Farsul, Antônio da Luz, cita três momentos em que isso aparece. O fim dos regimes socialistas marcou o aumento do consumo em países como China, Vietnã e Rússia. O outro é a crise no final dos anos 90, com impacto sobre a demanda. E, no Brasil, a estabilidade pós-Plano Real praticamente duplicou o consumo per capita no período analisado.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora

Compartilhe!