CAMPO E LAVOURA – Média acima da média

No balanço dos resultados da safra recém colhida, a Cotrijal, cooperativa agropecuária gaúcha de maior faturamento, confirmou o desempenho apresentado ao longo dos últimos anos, com médias acima das registradas no Estado. Na soja, as 65,4 sacas obtidas são 10 a mais do que as 55,4 projetadas pela Emater para o Rio Grande do Sul. No milho, a diferença é de 82 sacas: foram 173,3 sacas por hectare entre os produtores associados e 90,5 sacas entre os gaúchos.

– Viemos com um histórico de produtividade superior à média do Rio Grande do Sul. É fruto do trabalho conjunto da cooperativa. Já tivemos nesta safra 34% dos nossos produtores fechando acima de 70 sacas (de soja) por hectare – observa Alexandre Doneda, gerente de produção vegetal da Cotrijal.

O que não significa ausência de desafios. Com sede em Não-Me-Toque, no Norte, a cooperativa fica em uma importante zona de produção de grãos do Estado. E teve uma largada marcada pelo tempo seco, que atrasou o plantio de soja e, por consequência, trouxe restrições parciais no potencial produtivo.

– Mesmo com o início conturbado, ainda conseguimos atingir bom nível de produtividade – afirma Doneda.

Um pouco mais à frente, a distribuição de chuva de maneira irregular, no mês de fevereiro, foi outro fator limitante em algumas regiões da área de atuação, que soma 32 municípios e 8 mil associados.

A falta de umidade também foi um fator de atenção nas lavouras de milho. Mas depois de uma quebra em 2020, em meio à estiagem que derrubou a produção gaúcha, os números finais também são positivos.

– Com o mercado em alta, o produtor conseguiu bons negócios com o milho em uma safra de desafios – acrescenta o gerente de produção vegetal.

NO RADAR

Seguem até a sexta-feira as inscrições para o Troca-Troca de Sementes, etapa safrinha. Voltado a agricultores familiares, o programa da Secretaria da Agricultura subsidia 28% na compra de sementes (no total, 42 cultivares, entre milho híbrido convencional, transgênico e sorgo). Interessados devem procurar entidades habilitadas em seu município para a reserva. Informações agricultura.rs.gov.br/troca-troca-de-sementes.

34,78%

é o percentual de crescimento do número de registros da raça de bovinos de corte ultrablack no Brasil, no período 2020/2021. Resultado do cruzamento de angus com brangus, a raça precisa ter em sua composição pelo menos 80% de genética angus e 20% de zebuína. No país, sua história é considerada ainda recente, já que o primeiro registro no território nacional saiu em 2017.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *