CAMPO E LAVOURA – Lances valorizados

Com um modelo de negócio consolidado no ambiente virtual, o Superbid Market Place constatou uma mudança de comportamento do consumidor em meio à pandemia. Os períodos de distanciamento social fizeram crescer o número de acessos à plataforma de leilões e o faturamento da venda de máquinas agrícolas. O ano de 2020 terminou com uma receita 36% superior à de 2019. O que fez a marca chegar a 2021 otimista.

– Os indicadores do primeiro semestre vêm em uma crescente boa na comparação com 2020. Hoje, essa proposta que a gente coloca vemos muita participação em ESG, economia circular, política de destinação correta. Um dos papéis é reutilizar e manter as coisas operacionais – explica Marcelo Pinheiro, diretor técnico da MaisAtivo, empresa do Grupo Superbid responsável por projetos do setor.

O período em que as pessoas tiveram de ficar mais em casa não ampliou as ofertas, mas consolidou esse modelo "como um dos parâmetros de compra", acrescenta o diretor técnico.

O ticket médio das ofertas subiu, impulsionado por um mercado aquecido por sucessivas safras recordes no país e, ao mesmo tempo, impactado pontualmente pela pandemia, no que se refletiu em tempo maior de espera para a entrega de equipamentos novos.

– A gente também percebeu que o ativo que estamos vendendo está muito mais novo – acrescenta Pinheiro.

A plataforma atende a dois clientes: quem vende e quem compra as máquinas. O alcance dos leilões varia conforme a necessidade buscada e a origem do produto. Quando vem de grandes empresas do setor que estão renovando suas frotas, o radar "chega longe", segundo o diretor técnico. Entre os Estados, o Mato Grosso é um dos de maior participação no leilão virtual. Mas o Rio Grande do Sul também tem participado dos lances.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *