CAMPO E LAVOURA | Ingrediente dourado

Grão dourado das lavouras, a soja foi parar dentro do copo de cerveja. Em busca de um ingrediente local e inovador, uma cervejaria artesanal do Centro-Oeste adicionou à receita tradicional, com água, malte, lúpulo e levedura, a oleaginosa. Localizada em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, a Pantanal comprou, ou melhor, vendeu a ideia. Dona da marca Moagem, fez os primeiros testes para o produto com soja há, pelo menos, uma década.

Mas foi em agosto do ano passado que a cerveja entrou no mercado – com a venda em uma loja da marca em um shopping de Campo Grande. E já são cerca de quatro mil litros produzidos.

O tecnólogo em alimentos Felipe Augusto Zuffo, um dos sócios da cervejaria e o formulador do produto, é neto de gaúchos e catarinenses. Ele conta que a inspiração veio da vontade de resgatar um aspecto histórico da cerveja, de estar ligada a elementos regionais.

O Mato Grosso do Sul é um dos principais produtores de soja do país – na safra atual, deve ficar na quinta posição, conforme a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Na cerveja, a soja entra como complemento. Segundo Zuffo, para dar maior cremosidade e maior preenchimento de boca – sensação de que a bebida é mais volumosa quando degustada. Já que o sabor deve ser de cerveja, o de soja fica em segundo plano:

– A cerveja tem esse "temperinho" que é o sabor de soja, proteico, que fica no fundo, que lembra algum produto, um bolo assado, talvez um amendoim torrado, alguma coisa nesse sentido – descreve.

O ingrediente é cultivado na estação de pesquisa da família em São Gabriel do Oeste, no interior de MS. A variedade de soja foi escolhida pelo pai de Zuffo, com experiência em melhoramento genético da planta.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *