CAMPO E LAVOURA – Estrelas presentes

No ano em que a pandemia transformou a logística da Expointer, equinos que participarão do Freio de Ouro foram os primeiros a entrar no parque Assis Brasil, em Esteio. Até a noite de ontem, outros 31 exemplares haviam ingressado.

No grupo que marcou a abertura dos portões, estavam três fêmeas e três machos vindos do centro de treinamento do ginete Gabriel Marty, em Barra do Quaraí, na Fronteira Oeste. Para dar conta dos mais de 700 quilômetros de distância, a viagem se iniciou às 23h de domingo. Agora, a ordem é focar nos cuidados para evitar lesões e para manter o bom condicionamento físico até o início das provas.

São animais especialmente treinados para a disputa. As éguas Desavença dos Castanheiros e Estrela Cadente dos Castanheiros, são da cabanha dos Castanheiros, de Pejuçara (RS). A fêmea Basca Beatriz, da BT Basca, de Uruguaiana (RS). O garanhão Floreio Seresteiro (foto) é das cabanhas El Caraí, La Victoria e El Rincón, da Argentina. A lista é completada por Colibri Matrero e Pacífico Pa? usté, da cabanha La Pacífica, do Uruguai. As finais do Freio de Ouro, disputa promovida pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalos Crioulos, ocorrem no final de semana de abertura e serão transmitidas online. Sobre os protocolos de segurança, o ginete Marty avalia:

– A máscara é o menor dos problemas. Não é bom e nem cômodo, mas estamos muito contentes de terminar o ciclo e de conseguir ter a grande final.

Para dar conta dos animais – há 1.017 inscritos, de 18 raças -, equipe de 35 servidores da Secretaria da Agricultura atuará em seis grupos em sistema de revezamento.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *