CAMPO E LAVOURA | Esperança em gotas

A chuva que caiu no Estado hidratou as expectativas de que agora seja possível começar a virar a página da estiagem no campo.

– Esperamos que nesta semana esse ciclo se feche, com o retorno da chuva. A fase em que ela faltou foi determinante para as perdas – avaliou o presidente da Emater, Geraldo Sandri no balanço da safra de verão. O volume total de grãos (soja, milho, feijão e arroz) será 32,5% menor do que o previsto no início do ciclo e 28,7% em relação a 2019.

Com grande variabilidade entre regiões, a soja acumula, na média, quase 46% em produção e produtividade.

– O período decisivo para a soja é o mês de fevereiro e a primeira quinzena de março. Na Expodireto, quando apresentamos projeção, mais de 80% das lavouras do grão estavam no período mais vulnerável – explica Alencar Rugeri, diretor técnico da Emater.

Estavam na etapa de enchimento do grão, quando a umidade não pode faltar. Isso fez as projeções mudarem. No início do ciclo, a expectativa era de nova safra recorde. Mas à medida que a estiagem se intensificou, a partir de dezembro, o cenário foi gradativamente mudando. E faltando muito pouco para o fim da colheita – 2% na soja – o efeito negativo se consolida.

As atenções agora se voltam para a safra de inverno e a recuperação das pastagens. Na Fazenda Alto das Figueiras, em Encruzilhada do Sul, as rachaduras no solo onde antes havia um açude (foto abaixo) se mantêm. Mas ostentam os milímetros dos últimos dias (imagem acima).

– Essa chuva espetacular, depois de 7 meses, significa a renovação da esperança. É importante para reposição de água, viabilização das pastagens e, nas cidades, para abastecimento das represas – ressalta André Camozato, administrador da propriedade e presidente da Comissão de Ovinocultura da Secretaria de Agricultura do Estado.

Os dados dos prejuízos no Estado são um argumento e tanto para sensibilizar o Ministério da Economia. É preciso aval da pasta para conceder o pedido feito pelo Estado para mudança nas condições da renegociação de financiamentos. A resolução vigente faz com que seja possível apenas para municípios com situação de emergência homologada entre 1 de janeiro e 9 de abril. A solicitação é para a janela seja ampliada para 20 de dezembro de 2019 a 31 de maio de 2020. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, tinha encontro previsto para sexta-feira com Paulo Guedes.

9,5 mil frascos de álcool gel 70% serão doados ao Rio Grande do Sul pela Marfrig. O produto será destinado a hospitais e entidades dos municípios de Bagé, Alegrete e Hulha Negra, onde tem frigoríficos. O produto, usado na prevenção da covid-19, foi fabricado na unidade da empresa de Promissão (SP), que tem capacidade de produzir 10 toneladas mensais.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN
Publicado em 23/05/2020
Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *