CAMPO E LAVOURA | Denúncia expõe alerta de entidade

Por conta do acidente que aconteceu entre um navio e uma embarcação de pesca no canal de acesso do porto de Rio Grande, a saída da primeira carga de arroz via terminal exclusivo teve de ser novamente adiada. A área ficou parcialmente interditada. Com 28,5 mil toneladas, o MV Vola, tem como destino a Costa Rica. O carregamento do produto começou no último dia 3.

Denúncia feita pela Associação Brasileira de Transportadores Internacionais ao Ministério Público Federal de Uruguaiana, em razão do atraso nas liberações de cargas no porto seco, na fronteira entre Rio Grande do Sul e Argentina, reforça alerta feito há dois anos pelo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa).

Segundo Soraya Elias Marredo, delegada sindical no RS, a carência de profissionais da categoria existe em todas as áreas do Ministério da Agricultura, mas fica evidente nas áreas de fronteira, pela demanda represada pela falta de pessoal. No porto seco de Uruguaiana, em três anos, o número de auditores passou de sete para três. E dois podem se aposentar.

– Atuar dessa forma, além de insalubre para o servidor, pode acabar gerando falhas e precarização no sistema de fiscalização – observa Soraya.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *