CAMPO E LAVOURA – Conexão europeia

A foto acima mostra o momento de conexão entre Porto Alegre e Bruxelas, na comemoração compartilhada do reconhecimento do Rio Grande do Sul como zona livre de febre aftosa sem vacinação. Na capital gaúcha estava um dos QGs de acompanhamento da cerimônia virtual da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) – o outro era em Brasília. Na chamada de vídeo por celular estava o adido agrícola do Brasil na União Europeia, Bernardo Todeschini. Auditor fiscal federal agropecuário de carreira, já esteve à frente da superintendência regional do Ministério da Agricultura no Estado. Desde 2006, ele acompanha o tema da aftosa de perto, tendo inclusive atuado na OIE. No momento do anúncio, se pôs de pé para o hino brasileiro e ficou com os olhos marejados.

– Me veio a imagem das milhares de pessoas que trabalharam nisso. Tanto no ministério quanto na secretaria. Representa a capacidade do movimento coletivo. Cada uma dessas milhares de mãos foi importante – disse à coluna Todeschini, citando do pequeno produtor "que vacinou o gado" ao servidor administrativo.

Presidente da Associação dos Fiscais Agripecuários do Estado (Afagro), Pablo Fagundes Ataide também destacou o papel dos servidores na conquista:

– Há décadas os fiscais estaduais agropecuários e demais categorias da Secretaria da Agricultura estão comprometidos com essa evolução, trabalhando, inclusive, finais de semana e feriados, desempenhando atividades essenciais que não podem parar.

O verão vai dando espaço para o inverno no campo gaúcho. A colheita da soja está tecnicamente encerrada, conforme levantamento semanal da Emater. Da área total de cultivo, 99% está colhida. Quanto ao trigo, carro-chefe da estação do frio, a semeadura não evoluiu em algumas regiões, como na regional de Ijuí, por conta da alta umidade do solo.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *