Campo e Lavoura – Concorrência de grão cheio

 

Lançada comercialmente durante a Expodireto-Cotrijal, em Não-Me-Toque, soja transgênica Liberty Link promete mexer com o mercado

Concorrência de grão cheio  Diogo Zanatta/Especial

Foto: Diogo Zanatta / Especial

A Expodireto-Cotrijal foi escolhida a dedo pela alemã Bayer para o lançamento comercial da soja transgênica Liberty Link. O produto promete mexer com o mercado brasileiro que, durante mais de 10 anos, foi dominado pela Monsanto, detentora da única tecnologia disponível.

Diretor de negócios de soja da Bayer, Hugo Borsari explica por que a empresa fez a opção de apresentar a tecnologia em solo gaúcho:

– É pela expressão nacional que a feira tem no país. O segundo motivo é porque o Rio Grande do Sul tem um desafio muito grande no manejo de plantas daninhas de difícil controle e resistentes ao glifosato.

Leia mais:
Que espaço terá a área plantada de milho na próxima safra no Estado 
Valor do Plano Safra terá o tamanho que os cofres públicos permitirem

Leia todas as edições da coluna Campo Aberto

O modelo de cobrança foi definido: será ¿direto e exclusivo sobre cada variedade¿, afirma o diretor, sem cobrança na moega. Para chegar ao produto agora lançado, foram mais de oito anos de pesquisa e milhões de dólares. Borsari desconversa sobre a quantia exata e a meta a ser alcançada.

– Estima-se que de 30% a 40% das lavouras de soja no país apresentem resistência ao glifosato ou tenham problema de controle de ervas daninhas – diz o executivo.

A Liberty Link é tolerante ao glufosinato de amônio, princípio ativo do Liberty, produto igualmente desenvolvido pela Bayer – que apresentou também em noite de campo, ontem, a Creedence, marca de soja da multinacional.

Para o produtor, a entrada de novos players – a Cultivance, variedade desenvolvida pela Basf e Embrapa entrou nesta safra no circuito comercial – traz a oportunidade da escolha.

Por: Gisele Loeblein

Fonte : Zero Hora

Compartilhe!