CAMPO E LAVOURA – Combustível local

Aprovada na Assembleia Legislativa, a política para incentivo ao setor de etanol coloca energia no objetivo de fazer o Estado ampliar a produção local. E, com isso, fazer andar 12 projetos em regiões distintas. A ideia é sair da reserva, abastecendo o tanque para que se possa chegar a um volume maior de produção local. Hoje, é inferior a 1% do 1,5 bilhão de litros consumidos por ano.

Agora, abre-se prazo de 15 dias para que seja sancionada a lei. E, depois, mais 90 dias para que seja feita a regulamentação. Os recursos para fomento do setor passam a ser incluídos no orçamento, destinando-se a empresas que investirem na produção à base de grãos, tubérculos e cana-de-açúcar. É a matéria-prima utilizada pela Coopercana, única com produção expressiva de etanol no RS.

– Tem uma importância muito grande para o investimento na região (a política). Nossa expectativa é de que se retome a produção em escala. Queremos triplicar o volume que temos hoje – afirma Vilson Theis, presidente da Coopercana, com sede no município de Roque Gonzales.

Apresentada pelo Executivo, a proposta para a criação da Política Estadual de Estímulo à Produção e Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Etanol foi construída de forma conjunta pelo setor. Coordenador da Frente Parlamentar em Defesa da Produção e Autossuficiência de Etanol, Elton Weber contabiliza mais de 20 organizações e entidades envolvidas. Ele projeta que, em três anos, a produção local possa alcançar entre 20% e 30% do consumo:

– Havia intenção para investir, mas se aguardava o marco legal para dar segurança jurídica.

Extensionista rural da Emater e coordenador do Projeto Pró-Etanol/RS, Valdir Zonin acompanha as tentativas de incentivo à produção gaúcha desde 2013. Dos atuais projetos existentes, quatro, cita, estão em fase mais adiantada: Camaquã, Viadutos, Carazinho e Porto Xavier (em processo de ampliação).

Tem troca de comando na alemã Bayer. O brasileiro Rodrigo Santos assume como diretor de Operações da divisão agrícola global. Até então líder de Operações Comerciais da divisão agrícola na América Latina, substituirá Brett Begemann, que está se aposentando. Maurício Rodrigues ocupará o posto que era exercido por Rodrigo.

21,39%

foi a alta no volume de frutas exportadas pelo Brasil no primeiro quadrimestre deste ano, segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Em valor, o aumento gerado pelas vendas chega a 23,22%. A Europa é o principal destino, com Países Baixos, Reino Unido e Espanha como os maiores consumidores. Destaque para a maçã, que dobrou a quantidade embarcada no período.

gisele.loeblein@zerohora.com.br

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *