Campo e Lavoura – Bacalhau na bagagem – Gisele Loeblein: na mala, não pode

 

Produtos de origem animal ou vegetal não podem ser trazidos do exterior; veja como funciona a fiscalização

Bacalhau é bom à mesa, mas na mala, não pode. Para não ficar sujeito acontratempos como o do deputado Mário Jardel (PSD), que foi barrado com produtos não permitidos no retorno à Capital da criticada viagem à Europa, é sempre bom lembrar que há itens proibidos na bagagem de viajantes.
Jardel é barrado no aeroporto com bacalhau e queijo na mala
Há produtos de origem animal ou vegetal que não podem ser trazidos de fora. Coordenadora dos produtos de origem animal do Sistema de Vigilância Agropecuária Internacional no Estado, a fiscal federal agropecuária Consuelo Paixão Côrtes recomenda que as pessoas sempre verifiquem a lista de itens não permitidos no site do Ministério da Agricultura.
— Nos voos vindos de Portugal, as pessoas têm muito bacalhau, queijos, pata negra e pescados. Nos de Argentina e Uruguai, o doce de leite — conta Consuelo.
A fiscalização nos aeroportos brasileiros é feita por amostragem. Os produtos apreendidos são recolhidos e destruídos na hora. Não há pagamento de multa no Brasil. No aeroporto Salgado Filho, só em setembro, 170 passageiros tiveram produtos retidos, somando quase 750 quilos apreendidos e destruídos. Na bagagem de Jardel havia bacalhau, queijo, nozes e conservas de pescado.

Por: Gisele Loeblein

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *