CAMPO E LAVOURA

Questionamentos levados ao MP

Representantes de entidades ligadas à agricultura familiar têm hoje reunião com o procurador-geral do Estado, Fabiano Dallazen. Na pauta, estará a compra de kits para alimentação feita pelo governo do Estado. Segundo Rui Valença, coordenador da Fetraf-RS, não foi respeitado o percentual mínimo de produtos da agricultura familiar – 30%, dentro do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) -, com aquisição de um único fornecedor. E “desconsiderou a produção do setor, que fornece merenda escolar”.

Em nota, a Secretaria da Educação afirmou que a aquisição segue as diretrizes do programa. E que os kits incluem alimentos não perecíveis. “As direções das escolas farão a aquisição dos alimentos perecíveis junto à Agricultura Familiar por meio da Autonomia Financeira”, finaliza.

no radar

Em tempos de pandemia, o mundo digital ganha terreno no campo. Leilões da temporada de outono têm sido feitos de forma virtual. A Feira de Terneiros de Caçapava do Sul, hoje, será realizada dessa forma. São 1,2 mil animais que poderão ser comprados a distância.

Ampliação consolidada

Com um projeto de ampliação que soma R$ 60 milhões em investimento, a cooperativa Languiru, com sede em Teutônia, no Vale do Taquari, concretiza agora o aumento da capacidade na planta de Westfália (foto acima).

O frigorífico está trabalhando com volume de abate quase 20% maior, chegando a 130 mil aves por dia. É o primeiro passo para alcançar o objetivo de dobrar o processamento, alcançando 220 mil frangos por dia. A previsão, segundo o presidente da cooperativa, Dirceu Bayer, é de que isso ocorra dentro de um período de 18 meses:

– A obra foi iniciada antes da crise, e é uma necessidade porque queremos investir no segmento. Há 14 dias, começaram a chegar animais de aviários construídos para garantir a ampliação.

A marca, com operações diversificadas (aves, suínos, leites e rações, entre outros), está com foco nas exportações. Historicamente, representavam cerca de 10% da produção, mas hoje estão perto de 50%. Essa “flexibilidade” é vista como importante no momento em que o mercado interno traz reflexos da crise advinda da covid-19.

– Os preços lá fora não aumentaram, mas o câmbio ajuda – observa Bayer.

O próximo passo é habilitar para a venda para a China. A expansão criou 165 empregos adicionais aos mil existentes. Também houve alta no processamento de suínos, em Poço das Antas. Em meio à pandemia, medidas de prevenção foram intensificadas, como a instalação de túneis de desinfecção para os trabalhadores.

Com 5,7 mil associados e 3 mil funcionários, a cooperativa faturou R$ 1,4 bilhão em 2019 e estima R$ 1,8 bilhão para 2020.

GISELE LOEBLEIN
Fonte: Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *