CAMPO ABERTO – Uma só agricultura

Uma só agricultura

Um dos grandes debates surgidos no pós-eleição foi sobre a proposta de unificar os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente. Neste momento, essa parece ser uma ideia que ficou para trás no governo de Jair Bolsonaro (PSL). Por outro lado, a agricultura, seja ela qual for, deverá ser objeto de uma única pasta, segundo a recém indicada ministra Tereza Cristina, que teve ontem seu primeiro encontro com o presidente eleito:

– Aparentemente sim, mas ainda não foi definido.

A pasta do Desenvolvimento Agrário, criada em 1999, no governo FHC, foi extinta em 2016, quando passou a ser Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, ligada à Casa Civil. Se o sonho das entidades ligadas aos pequenos produtores seria o de retomar o ministério – possibilidade sequer ventilada pelo governo eleito – , a verdade é que a atual estrutura também não vinha agradando.

– Ainda entendemos que a melhor coisa seria ter. Em não tendo, o melhor lugar é a pasta da Agricultura. Na Casa Civil, sumimos na poeira, ficamos sem poder de decisão – avalia Carlos Joel da Silva, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetag-RS).

O dirigente diz que na próxima semana buscará agenda com Tereza Cristina:

– Queremos que ela possa ouvir as entidades e ter sensibilidade para entender que agricultura familiar não é a mesma coisa que a patronal – completa Joel.

Tereza Cristina apontou alguns dos temas que devem ter atenção especial na sua gestão. É o caso do projeto de lei de licenciamento ambiental, considerado prioritário pela Frente Parlamentar da Agropecuária, presidida pela futura ministra. Ela também afirmou que deseja se manter ativa no debate ao projeto de lei que altera a legislação de agrotóxicos.

– Diferentemente do que foi dito, trouxe a modernização, pois dá a opção para o produtor brasileiro usar as mesmas moléculas usadas lá fora, por meio da agilidade, transparência e governança – observou.

Nos próximos dias, Tereza Cristina deve se reunir com o atual ministro, Blairo Maggi.

no radar

JÁ ESTÃO abertas as inscrições para empreendimentos interessados em participar do Pavilhão da Agricultura Familiar da 20ª Expodireto-Cotrijal, que será realizada em março de 2019. O prazo vai até o final deste mês. Produtores devem procurar sindicatos representantes das entidades (Fetag e Fetraf) ou Emater dos municípios. Serão 180 estandes de agroindústrias.

TRIGAIS DISTINTOS

Dois levantamentos divulgados ontem mostram retratos diferentes da produção de trigo do Estado na atual safra. Pelos dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que foram coletados a campo, no período de 22 a 26 de outubro, quando a colheita estava em torno de 22%, produtividade e produção foram revisados para cima, em relação ao mês de setembro. O volume produzido é agora estimado em 1,87 milhão de toneladas, ante 1,69 milhão.

– Verificaram que havia boa maturação da planta, quando levantaram as informações. A expectativa é de que no próximo levantamento já se tenha a situação mais definida – explica José Bicca, superintendente regional da Conab no RS.

O apontamento semanal feito pela Emater indica que só falta começar a colheita na região serrana. De um modo geral, o excesso de chuva, a pouca luminosidade e as altas temperaturas têm prejudicado as lavouras, porque favorecem o aparecimento de doenças fúngicas, que comprometem a produtividade. Na regional de Santa Rosa da Emater, a colheita está em 90% da área total semeada e, segundo José Vanderlei Waschburger, gerente regional adjunto, a chuva atrapalhou, comprometendo qualidade do grão.

No Estado, as comunicações de ocorrências de perdas (Proagro) chegam a 3,07 mil. Número significativo, ainda que menos da metade do registrado em 2017 (6,62 mil). Nas outras culturas de inverno, também houve prejuízos: foram 153 comunicações na cevada, 65 na canola e 81 na aveia.

escolha agradou A fiscais

Críticos da fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, auditores fiscais federais agropecuários ficaram satisfeitos com a escolha de Tereza Cristina como ministra. Em nota, o sindicato da categoria diz que a parlamentar "já demonstrou, inúmeras vezes, competência, dinamismo e conhecimento acerca do setor agropecuário que certamente farão diferença". A entidade se coloca à disposição "para auxiliar na construção de ações que garantam a segurança alimentar do brasileiro e valorizem o agronegócio".

Limpeza em andamento

Pouco mais de uma semana depois de iniciar a obra de dragagem no porto de Rio Grande, já foram removidos, segundo a superintendência do porto, cerca de 590 mil metros cúbicos de sedimentos. A quantia total a ser dragada é de até 16 milhões de metros cúbicos.

A draga Pearl River começou os trabalhos dia 29 de outubro. Os consórcios contratados para executar o serviço têm até 10 meses para finalizar a limpeza, que garantirá fluxo no canal de passagem do porto. A obra era aguardada desde 2015.

Deve ser publicada no Diário Oficial da União desta sexta a sanção do presidente Michel Temer à medida provisória 842. Entre outras definições, traz a garantia de descontos de até 60% na liquidação de financiamentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) para produtores que estão com pagamentos em dia.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora