CAMPO ABERTO – Trigo deve gerar impacto superior a R$ 3 bi no RS

Principal cultura de inverno do Estado, o trigo deve gerar impacto financeiro superior a R$ 3 bilhões, segundo projeção da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (Fecoagro-RS). A quantia é a soma do valor bruto da produção do cereal (R$ 1,45 bilhão) e gastos na formação das lavouras (R$ 1,7 bilhão). Considerando todo o setor, a cifra vai além.

Com a colheita sendo finalizada, a avaliação é de que apesar dos estragos decorrentes da chuva, o resultado da safra é considerado positivo.

As precipitações registradas no Rio Grande do Sul entre outubro e novembro carregaram de preocupações os produtores. Com algumas áreas prontas que não puderam ser colhidas em razão da chuva, veio o temor de prejuízos à safra, que vinha em ritmo animador.

Presidente da Associação das Empresas Cerealistas do Rio Grande do Sul (Acergs), Vicente Barbiero diz que a entidade estima em 200 mil toneladas o volume de cereal com baixa qualidade, sem condições de ser usado pela indústria. A quantia representa menos de 10% do total, que é de 2,2 milhões de toneladas.

– É a melhor qualidade já vista no Estado – acrescenta.

Paulo Pires, presidente da Fecoagro-RS, tem avaliação de que essa foi "uma boa safra" e que há trigo de qualidade para panificação. As cooperativas recebem mais de 50% do volume total produzido no Estado.

Fatores conjunturais favorecem a procura pelo trigo gaúcho neste momento. O Paraná teve redução na colheita. E a escalada do dólar encarece o importado.

gisele.loeblein@zerohora.com.br 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora