CAMPO ABERTO – Será a última feira com vacinação?

A 42ª edição da Expointer poderá ser a última com o rebanho bovino do Estado vacinado contra a febre aftosa. Auditoria do Ministério da Agricultura marcada para logo depois da feira, entre 2 e 6 de setembro, tira a avaliação sobre manter ou não a imunização do plano das ideias e a coloca na esfera das decisões a serem tomadas. Esse olhar dos técnicos sobre o sistema de defesa do Estado – de estrutura física a pessoal – será determinante para que o Rio Grande do Sul conheça a real capacidade de avanço no status, que hoje é livre da doença com vacinação.

Não por acaso, esse tema deverá pautar debates oficiais e também conversas de criadores no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. No dia 30, ocorre o 1º Fórum Nacional bianual do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa, que faz parte do plano estratégico do ministério.

– Com certeza, essa será uma discussão corrente na feira, que é uma vitrine. A parte dos criadores que trabalha com patrimônio genético é a que demonstra maior preocupação – avalia Fernando Groff, da coordenação do Programa Estadual de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa.

Por enquanto, entidades de produtores preferem esperar pela auditoria para definirem posição sobre a questão.

– Tenho visto avanço no debate e mais pessoas se convencendo da possibilidade de retirada da vacina. Mas também há receio de que possa gerar risco. Vamos esperar a vistoria, até em respeito ao trabalho – diz Leonardo Lamachia, presidente da Federação Brasileira das Associações de Criadores de Animais de Raça (Febrac).

gisele.loeblein@zerohora.com.br 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *