CAMPO ABERTO – Rússia reabre mercado para carne suína

Quase um ano depois, os russos voltam a abrir suas portas para a carne suína brasileira. A suspensão estava em vigor desde dezembro de 2017 e chegou ao fim ontem, com comunicado emitido pelo Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária Russo, trazendo alívio às indústrias do setor. É que a ausência da Rússia na relação de destinos dessa proteína foi sentida, ainda que novos mercados fossem buscados. A explicação é simples: no ano passado, o país-sede da última Copa do Mundo respondeu por 40% das vendas externas do Brasil desse tipo de carne.

– A retomada deste mercado tem um significado importante, em especial, pela representatividade que a Rússia desempenhou nos últimos anos, como principal destino – avalia Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Para se ter uma ideia, de janeiro a setembro deste ano, apesar de a China ter ampliado em 212% as compras, as exportações de carne suína brasileira recuaram 12,8% em volume e 26,9% em receita. Secretário de Defesa Agropecuária, Luis Rangel, disse esperar que a retomada das exportações para a Rússia faça as empresas adquirirem o fôlego que perderam ao longo deste ano em razão de fatores como a greve dos caminhoneiros e o desabastecimento causado por ela.

Os embarques poderão ser retomados a partir de hoje. No Rio Grande do Sul, foram reabilitados quatro frigoríficos das empresas Alibem, Adele e Cooperativa Central Aurora.

– É muito importante para os suínos essa retomada. Mas a retomada é sempre mais lenta. Não sabemos ainda qual será a procura, a busca, que espaço darão ao produto brasileiro – pondera Rui Vargas, vice-presidente e diretor técnico da ABPA.

O embargo ao Brasil teve como justificativa a contaminação cruzada por ractopamina, que é uma substância promotora de crescimento não admitida pelos russos, na formulação de rações usadas na alimentação dos animais. Há desconfiança, porém, de que os reais motivos sejam comerciais.

O fato é que a reabertura vem como uma espécie de presente antecipado de final de ano para as indústrias do setor.

deputado Entrou para a lista de cotados

Deputado federal reeleito pelo Rio Grande do Sul, Jerônimo Goergen (PP) (à esquerda na foto) confirma que foi sondado por líderes do setor sobre interesse em ser ministro da Agricultura no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). O advogado de Palmeira das Missões chegou a mandar currículo. A indicação seria avaliada ontem em reunião.

O progressista avalia que sua atuação nos debates de Funrural e endividamento agrícola o aproximaram ainda mais do setor:

– Recebi telefonemas de tudo que é lugar do país. Me sinto honrado pela lembrança.

no radar

UM ABAIXO-assinado online coleta assinaturas para tentar barrar a fusão dos ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente, anunciada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Na noite de ontem, o documento somava mais de 620 mil pessoas.

sob nova direção

Era apenas uma formalidade, já que a chapa era única e de consenso, mas a votação na tarde de ontem confirmou o nome de Gedeão Pereira como presidente da Federação da Agricultura do Estado (Farsul) no triênio 2019-2021. Dos 137 sindicatos habilitados a votar, 119 compareceram à sede, em Porto Alegre – houve um voto em branco.

Gedeão (à direita na foto acima), que assumiu o comando da federação após a morte de Carlos Sperotto, em dezembro do ano passado, vem atuando na federação há mais de 20 anos. É veterinário, produtor rural e dono da Estância Santa Maria, em Bagé.

Voltou a afirmar que deve fortalecer as comissões internas:

– Teremos uma gestão colegiada, com muita gente dentro da casa.

O presidente eleito avaliou a decisão de Jair Bolsonaro de unir os ministérios da Agricultura e do Meio Ambiente. Elogiando a proposta de enxugar "a máquina estatal", acrescentou:

– A agricultura tem grande afinidade com o ambiente, que é extremamente respeitado, e isso não era entendido por questão puramente ideológica.

No Estado, eventual fusão das pastas da Agricultura e do Desenvolvimento Rural também é vista como positiva.

a segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa começa hoje e vai até o dia 30. o alvo são bovinos e bubalinos de até 24 meses. A meta é superar 90% de cobertura. produtores têm prazo de até cinco dias úteis após o fim do prazo para comprovar a vacinação dos animais.

Segundo turno

Na primeira disputa para o Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado (CRMV-RS) em que foi possível votar via internet, a disputa foi apertada. Tanto que será necessária a realização de segundo turno. Três chapas disputavam a preferência dos associados. No total, foram 8.042 votantes.

Como houve problemas no sistema e só a sede, na Capital, tinha cédula de papel, o horário para votação foi estendido em uma hora. No dia 29 ocorrerá o segundo turno, entre as chapas 1, com 2.686 votos, e a 2, com 2.722 votos. A chapa 3 somou 2.017 votos.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora