CAMPO ABERTO – RS ESTÁ PLANTANDO SAFRA MAIS CARA

No que depender do dólar, 2018 deverá ser lembrado como um ano em que os custos chegaram a patamares históricos. A inflação do agronegócio, medida pela Federação da Agricultura do Estado (Farsul), mostra que, impulsionados pelas cotações da moeda americana, os gastos com a próxima safra cresceram: 3,68% só em setembro. No acumulado em 12 meses, a alta é a maior desde 2015. É verdade que os preços recebidos também ficaram maiores (veja abaixo), mas o que preocupa é o fato de que a produção vendida neste ano é a do ciclo passado, enquanto que o desembolso é para a colheita do ano que vem.

Os bons valores das commodities em reais foram resultado da relação com o câmbio e dos prêmios, mas não há garantia de que essas condições se manterão em 2019, na hora da venda.

– Estamos plantando a safra mais cara, e poderá ficar ainda mais, porque os preços de combustíveis estão em alta – diz Antônio da Luz, economista-chefe do Sistema Farsul.

Pesou muito em setembro o aumento dos fertilizantes, de 38%. O produto ficou mais caro em dólar e ainda mais em reais.

No arroz, até áreas pequenas exigirão gasto "milionário".

– É uma lavoura extremamente cara – reforça Henrique Dornelles.

Presidente da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado (Fecoagro-RS), Paulo Pires concorda que a escalada dos valores a serem desembolsados é motivo de preocupação. Mas avalia que muitos agricultores compraram insumos ainda no primeiro semestre, conseguindo escapar um pouco da alta do câmbio:

– A formação de custos foi antes da cotação superar os R$ 4.

O problema, pondera Luz, é que, quando "os aumentos vêm de fora da porteira, a margem de mobilidade que o produtor tem para se defender é baixa".

– Esse cenário exigirá controle de cada gota de produto, cada operação de máquinas. Tem de ser tudo muito bem planejado para que haja o mínimo de desperdício – orienta.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora