CAMPO ABERTO – RS DEVE RECUPERAR SEGUNDO LUGAR NO RANKING DA SOJA

Depois de 24 anos, o Rio Grande do Sul poderá voltar a ser o segundo maior produtor de soja do país. As projeções mais recentes de Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e IBGE apontam colheita gaúcha do grão superior à paranaense, algo que não era registrado desde a safra 1994/1995. O principal motivo para essa alteração de posição é o clima.

A produção paranaense sofreu forte impacto de estiagem, chuva excessiva e altas temperaturas ao longo do ciclo. Tanto que a redução estimada é de 9,9% no mais recente balanço da Conab. O Departamento de Economia Rural do Paraná (Deral) revisou mais uma vez para baixo a colheita na semana passada, prevendo 16,3 milhões de toneladas que, se confirmado, representaria quebra de 15% sobre 2018. Extraoficialmente, fala-se que o recuo poderia chegar a 30%.

O RS também sofreu com o mau tempo e deverá ver sua produção encolher – projeção feita pela Federação da Agricultura do Estado (Farsul) é de que seja 1,04 milhão de toneladas a menos do que o inicialmente previsto, ainda assim à frente do Paraná.

– O problema na produção de soja foi gravíssimo. Com certeza, devemos superá-los na produção deste ano – confirma Luis Fernando Fucks, presidente da Associação dos Produtores de Soja do RS (Aprosoja-RS).

Ele acrescenta, no entanto, que os gaúchos vêm fazendo o dever de casa, com uma curva crescente na produtividade do grão. E se nas áreas de várzea o resultado será diretamente comprometido pela chuva, em regiões como a do Planalto, o rendimento por hectare da cultura deverá compensar.

Para além da questão competitiva, o efeito prático da melhora no ranking é que "mostra atividade econômica que está crescendo e ainda tem potencial de crescer", avalia Fucks.

Economista-chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz reforça que o resultado desse ciclo é reflexo direto do clima. Mas entende que os gaúchos têm em seu favor combustíveis singulares para fazer a produção de soja avançar:

– A crise no arroz tem conduzido ao plantio de soja. Há ainda áreas de pecuária que poderiam servir para o grão.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *