CAMPO ABERTO – RETRATO DOS BIOMAS

Dados sobre o uso e a cobertura do solo nos dois biomas que formam a vegetação do Rio Grande do Sul, Mata Atlântica e Pampa, já podem ser consultados em dados georreferenciados do MapBiomas projeto inédito de mapeamento anual de todos os biomas presentes no país. Apresentado durante o Seminário Campos Sulinos: conservação, uso e recuperação dos campos do Sul do Brasil, iniciado ontem em Porto Alegre, o diagnósitico traça uma radiografia da utilização da terra no país.

– No caso do bioma Pampa, por exemplo, verifica-se claramente uma redução da cobertura original, fruto da ampliação das lavouras de soja e da silvicultura na região – destaca o geógrafo Heinrich Hasenack, professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS) e coordenador do grupo Pampa dentro do MapBiomas.

O projeto, lançado em 2015 e com os primeiros resultados divulgados agora, envolve uma rede colaborativa com especialistas em usos da terra, sensoriamento remoto, sistemas de informações geográficas e ciência da computação. A iniciativa se propõe a formar uma série histórica de mapas anuais, de 1985 a 2017, justamente para acompanhar a mudança do uso do solo no Brasil no curto e longo prazos.

– A plataforma é pública, com dados essenciais para formulação de políticas ao ambiente – explica Hasenack.

Outra iniciativa que deve ajudar a ampliar os dados de uso da terra no país é o Programa de Monitoramento Ambiental dos Biomas Brasileiros – desenvolvido em conjunto por Inpe, Embrapa e Ibama. Com equipes em formação no Estado, o projeto começará a analisar as imagens georreferenciadas nesta semana. A previsão é de que os dados do Pampa e da Mata Atlântica sejam divulgados no próximo ano.

PRODUTORES rurais têm até a próxima sexta-feira para realizar a declaração do Imposto Territorial Rural (ITR). A elaboração do documento é obrigatória para pessoa física ou jurídica, exceto imune ou isenta.

O PREÇO DO LEITE MANTEVE TRAJETÓRIA DE BAIXA NO ESTADO EM SETEMBRO. SEGUNDO DADOS DO CONSELHO ESTADUAL DO LEITE, DIVULGADOS ONTEM, O VALOR DE REFERÊNCIA DO LITRO PROJETADO PARA O MÊS É DE R$ 1,1480, 3,78% ABAIXO DOS R$ 1,1931 CONSOLIDADOS EM AGOSTO.

Usando como base óleos de frutas, sementes e vegetais brasileiros, shampoos produzidos em Alvorada, na Região Metropolitana, caíram no gosto dos brasileiros e até dos europeus. Além dos ingredientes naturais, linhas orgânicas e veganas fizeram a marca de cosméticos De Sírius chegar a 22 países, a maioria na Europa.

Ontem, a fabricante gaúcha ampliou seu portfólio, lançando uma linha para proteger o cabelo da poluição. Na composição, ingredientes orgânicos certificados, como moringa, maçã, pepino, limão e algas.

– A proposta é eliminar a poluição do fio, por meio de ativos orgânicos com certificação, uma garantia de que o produto realiza aquilo que se propõe – afirma Sabrina Gomes da Rosa, presidente da De Sírius.

A embalagem segue a orientação ecológica: produzida com plástico verde feito com cana-de-açúcar.

JOANA COLUSSI

Fonte : Zero Hora