CAMPO ABERTO – RECALL MUDA CONDUTA

Menos de um ano após a Operação Trapaça, investigação da Polícia Federal que apurou fraudes cometidas por ex-funcionários da BRF para burlar testes de salmonela, a empresa anunciou o recolhimento voluntário de 164,7 toneladas de carne de frango in natura da marca Perdigão. Segundo a BRF, produtos oriundos da unidade de Dourados (MS) podem conter a bactéria Salmonella enteritidis (leia mais na página 11). O recall dos lotes com ampla publicidade, incluindo 299,6 toneladas destinadas ao Exterior, sinaliza que a empresa não pretende mais ocultar dos consumidores problemas desse gênero – como ocorreu no passado, segundo apontado em investigação da PF.

A medida é justificada também pelo perigo desse tipo de salmonela – monitorada pelo Ministério da Agricultura. Diferentemente da bactéria do tipo pullorum, encontrada nos lotes investigados no ano passado e que resultaram na suspensão de vendas da empresa para a União Europeia, a enteritidis não tem um hospedeiro específico – podendo infectar animais e também humanos.

– Esse tipo de salmonela é um dos que mais causam surtos em humanos no mundo. Por isso, é mais preocupante – explica Clarissa Vaz, pesquisadora da Embrapa Suínos e Aves.

Segundo a especialista, a autorização de vacina de matrizes a partir de 2003 ajudou a conter a frequência desse tipo de salmonela em animais no país.

– Apesar de um recall sempre ser negativo para a empresa, a medida é muito prudente e demonstra preocupação com a qualidade do produto que chega ao consumidor – avalia a pesquisadora, acrescentando que, se as carnes forem cozidas corretamente, o risco de infecção gastrointestinal é eliminado.

joana.colussi@zerohora.com.br

JOANA COLUSSI

Fonte : Zero Hora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *