CAMPO ABERTO | PROPOSTAS PARA O AGRONEGÓCIO DO RS

Em um Estado em que 40% do PIB vem do agronegócio, ter propostas que atendam às demandas do setor é ferramenta importante na busca de votos. Dentre as metas que constam no plano de governo de Eduardo Leite (PSDB) e José Ivo Sartori (MDB), a coluna selecionou alguns pontos (veja abaixo).

No caso do tucano, pontos como melhoria da infraestrutura, implementação de programa de inovação e ampliação da assistência técnica são alguns dos temas que chamam a atenção.

Na cartilha do atual governador, entram propostas para o setor leiteiro, assolado por crise que fez mais de 20 mil produtores desistirem da atividade. Há ainda o foco na adoção de energias alternativas (como a fotovoltaica) e até a sugestão de estimular a criação de moinhos de trigo, para fomentar a produção.

Um dos arquitetos do plano de governo de Sartori, o secretário de Planejamento, Governança e Gestão, Josué Barbosa, explica que as sugestões para o setor primário vieram de diferentes frentes: do grupo de proposição Futuro RS e de setores mais ligados ao governo.

– Um dos desafios que temos é avançar na tentativa de modernizar a inspeção sanitária. Um governo que se propõe a ser reeleito, tem de dar continuidade às ações – avalia Odacir Klein, secretário da Agricultura e uma das vozes ouvidas para a elaboração do plano.

Outro ponto de atenção é o debate sobre a retirada da vacina contra a febre aftosa. Klein fala ainda na necessidade de interação entre os diferentes atores do segmento.

A coluna fez contato com a assessoria de Leite, mas até o fechamento da edição, o grupo seguia reunido, avaliando os resultados do primeiro turno.

gisele.loeblein@zerohora.com.br gauchazh.com/giseleloeblein 3218-4709

GISELE LOEBLEIN

Fonte: Zero Hora